A vida secreta de Egon Schiele

Mostra exibe os trabalhos erticos do artista austraco, protegido de Gustav Klimt e um dos mais importantes nomes do expressionismo alemo

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Natália Rangel_247, com agências internacionais - O pintor austríaco Egon Schiele passou por diversas cidades até ir residir em Viena, no final do século XIX. As sucessivas mudanças eram provocadas pelas suas pinturas que, ao serem conhecidas pela vizinhança, invariavelmente criavam celeuma e o artista decidia se mudar para escapar à “mediocridade intolerável” de seus moradores. Em um vilarejo chegou a ser preso acusado de seduzir meninas para pintá-las. Sua tela foi queimada. E ele, expulso da cidade. Em meio a crise política que assolava a Europa naquele início de século,com a ascensão de forças políticas opressivas durante a 1 Guerra Mundial, Schiele mergulhou no seu mundo secreto: isolado em seu ateliê dedicou-se a criar e expor com erotismo e de forma explícita as formas humanas, em especial as femininas, e as retratou a exaustão, destacando a nudez e o relacionamento entre mulheres e também entre homens e mulheres.

Suas obras causaram muita rejeição e foi fundamental no início de sua carreira o apoio de Gustav Klimt, que o ajudou divulgando seus trabalhos a pessoas influentes. Uma mostra com uma centena de seus desenhos, esboços e telas foi organizada em Londres e irá abrir ao público nesta semana. É uma das maiores já dedicada ao artista fora da Áustria. E um tributo à arte erótica como poucos. Schiele transpunha todo e qualquer limite da intimidade e pintava como se estivesse revelando segredos de alcova. Ele, ao lado de Klimt, seriam os nomes mais importantes do expressionismo alemão e compartilham com outros conterrâneos a era da sensualidade que também se expressava na literatura, com Arthur Schnitzler, ou nas teorias que estavam sendo desenvolvidas por Sigmund Freud e a psicanálise Ele morreu aos 28 anos vítima da gripe espanhola, ao final da primeira guerra mundial.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email