Ascensão de Bolsonaro e da extrema-direita abala nossa capacidade de sonhar, diz Christian Dunker

“Muitas pessoas estavam acostumadas a um certo ambiente de democracia, a um discurso progressista de ampliação de direitos, e acreditavam que o discurso de Bolsonaro era uma coisa eleitoral, que não teria consequência real”, diz Dunker

Christian Dunker e Jair Bolsonaro
Christian Dunker e Jair Bolsonaro (Foto: 247 | PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Rede Brasil Atual – O psicanalista e professor da Universidade de São Paulo (USP) Christian Dunker, adepto da oniropolítica – derivado da palavra oineros, que significa sonho –, disse que a ascensão da extrema-direita no Brasil e a chegada do governo Bolsonaro estão abalando a capacidade das pessoas de sonhar com um futuro diferente. Conhecimento e humildade são as saídas, segundo ele. Luto e arrependimento, quando mal resolvidos, também podem evoluir para um quadro depressivo. Para tanto, ele defende a retomada da importância da palavra.

“É preciso voltar a olhar a realidade com outros olhos, com um pouco mais de humildade talvez, para tentar inventar outro discurso, outro entendimento, que possa prolongar e criar novas formas de sonhar”, afirma. Na última sexta-feira (13), Dunker foi entrevistado pelas jornalistas Marilu Cabañas e Nahama Nunes, no Jornal Brasil Atual. Ele respondeu a perguntas enviadas pelos ouvintes sobre os anseios psicológicos vividos diante do atual cenário.

Sobre qual o melhor caminho para a disputa política, se esperar as próximas eleições tentar mudar a cabeça dos apoiadores de Bolsonaro desde já, Dunker, diz que é hora de “fazer e refazer a história, pensando de uma forma mais distanciada sobre o que ocorreu”. Outra sugestão é formar coletivos e grupos de interesses específicos, além de fortalecer os movimentos sociais, resumido no slogan “Ninguém larga a mão de ninguém”, que se popularizou nas redes sociais desde as últimas eleições.

Uma ouvinte-espectadora questiona se algumas pessoas algumas pessoas poderiam desenvolver casos de depressão e tristeza profunda, por sentir que se omitiram ou fizeram menos do que deveriam na última disputa. “Muitas pessoas estavam acostumadas a um certo ambiente de democracia, a um discurso progressista de ampliação de direitos, e acreditavam que o discurso de Bolsonaro era uma coisa eleitoral, que não teria consequência real ou capacidade de transformar leis e instituições. De fato, foi uma decepção e uma surpresa para muitas pessoas, quando se deram conta que já era tarde demais. A depressão, muitas vezes, vem por uma espécie de acumulação de culpa”, analisou Dunker.

Contra aqueles que negam os abusos cometidos durante a ditadura civil-militar iniciada com o golpe de 1964, o psicanalista sugere buscar os testemunhos dos presos políticos e torturados que viveram o período. Ele sugere também filmes como o documentário Em Busca de Iara – sobre a psicóloga Iara Iavelberg, militante do MR-8, morta em agosto de 1971 – e O Ano em Que Meus Pais Saíram de Férias, que relata o período a partir dos olhos de uma criança.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247