Ator Igor Cosso relata caso de homofobia em set de filmagem: "Todo mundo em volta começou a rir"

O ator Igor Cosso, que atualmente trabalha na novela Salve-se Quem Puder, relembrou um caso de homofobia que sofreu em um set de filmagens. "Um jornalista publicou que tinha um ator gay em um trabalho que eu fazia, que era eu. E que, se esse ator quisesse crescer na carreira, era melhor se esconder", contou. "Senti dor, ali achei que não podia mais ser ator"

Igor Cosso
Igor Cosso (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ator Igor Cosso, que atualmente trabalha na novela Salve-se Quem Puder, palestrou em um TEDx Talks, intitulado "A Construção da Coragem", e relembrou um caso de homofobia que sofreu em um set de filmagens. Os relatos foram publicados pela coluna Donna Gente, na Gaúcha ZH.

"Um jornalista publicou que tinha um ator gay em um trabalho que eu fazia, que era eu. E que, se esse ator quisesse crescer na carreira, era melhor se esconder. Eu tinha 19 anos. Quando as pessoas começaram a compartilhar essa notícia, fiquei desesperado. Achei que o sonho estava sendo arrancado de mim. Senti dor, ali achei que não podia mais ser ator. As coisas só pioraram. Todo mundo acha que arte, televisão, é um ambiente muito livre, que não tem preconceito, mas é mentira. Todo ambiente de trabalho tem gente preconceituosa", disse. 

Depois ele contou o que ouviu ao chegar no trabalho. "Uns dias depois, fui gravar, estava morrendo de medo. Fui entrar no set e um cara da equipe técnica parou, olhou no meu olho e falou para mim, para todo mundo escutar, de propósito: 'O viadinho chegou'. E todo mundo em volta começou a rir", acrescentou.

O artista gravou a cena, segurando as lágrimas, e só se permitiu chorar quando chegou em casa. "Desabei. Estava acabado. Fiquei com vergonha. Isso aconteceu mais vezes em alguns trabalhos na minha vida. Às vezes não comigo, mas com colegas meus", afirmou. 

O ator ainda disse que, por muito tempo, escondeu sua sexualidade por medo de acabar com sua carreira. "Lia nas revistas e nos jornais gente grande do mercado dizendo que um ator do meu perfil não podia se assumir gay, porque senão ele nunca mais ia trabalhar", disse. "Comecei a engolir um monte de piada machista que escutava. Não socializava de jeito nenhum com os meus colegas de trabalho, ficava escondendo os meus namoros".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247