Bigode e punhos de ferro

Charles Bronson para os cinéfilos causa ódio ou amor. Contudo, está disponível uma biografia no NetFlix em que nada tem de parecido com as tramas canastronas de Desejo de Matar

Charles Bronson para os cinéfilos causa ódio ou amor. Contudo, está disponível uma biografia no NetFlix em que nada tem de parecido com as tramas canastronas de Desejo de Matar
Charles Bronson para os cinéfilos causa ódio ou amor. Contudo, está disponível uma biografia no NetFlix em que nada tem de parecido com as tramas canastronas de Desejo de Matar (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Rafael Samways, para o 247

Na Tela

Charles Bronson para os cinéfilos causa ódio ou amor. Os policiais vingativos dos anos 1970/1980, com muito sangue de groselha e tiros infinitos, marcaram uma geração. Contudo, está disponível uma biografia no NetFlix em que nada tem de parecido com as tramas canastronas de Desejo de Matar. Trata-se de um detento inglês, com apelido homônimo e bigode, que pretende ser o preso mais famoso do mundo. O filme biográfico "Bronson" (2008, de direção do Nicolas Winding Refn) prova que o sistema penitenciário (talvez mundial) não funciona para algumas pessoas. A narrativa, mesclando teatro e uma direção de arte simples e elegante, traz referências claras a Laranja Mecânica (1971, Stanley Kubrick).

 

A atuação do Tom Hardy, na versatilidade em exercer "o bem e o mau", e a multilinguagem artística são os pontos altos do filme. Sugiro retirar o preconceito (para os que não vão com a cara do Bronson "tira") e assistir o longa independente inglês de dramas em prisões.

No último dia 31/04, estreou nos principais canais de videoclipes o novo audiovisual do Projota com a Negra Li: "O Homem Que Não Tinha Nada". Na verdade não tenho paladar para o estilo de música apresentado. Contudo a direção da Lua Voigt faz com que eu mude a percepção do rap e perceba novos elementos para rechear a música. Vale dar uma sacada:

No Mp3

Na onda de Zaz, a cantora francesa, chamo a atenção para uma outra artista. Trata-se da Couer de Pirate. Diferente da intérprete mais pop da língua francesa, esta é canadense e há algum tempo está estourada nas rádios de Paris. Dê um clique aí. A voz e o ritmo são deliciosos:

 

No Confessionário

Aproveitando a resenha do filme Bronson, afirmo que os tiros sem sentido e a groselha de Desejo de Matar (1974) embalaram a minha infância junto com outro canastrão: o Steve Seagal. Quem nunca assistiu e torceu por este tipo de anti-herói quando era mais novo?

Namastê

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247