Black Power século XXI

A vitria do Miss Universo pela angolana Leila Lopes faz dela a segunda africana a ganhar o ttulo em seis dcadas de concurso e ressalta a fora da cultura e da beleza negras no mundo

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Natália Rangel_247 - Pela segunda vez nos 59 anos de história do Miss Universo, uma mulher africana se saiu vitoriosa. Leila Lopes, 25 anos, nascida em Angola, foi coroada nesta segunda-feira 12 com o tradicional título. Antes dela, em 1999, a jovem de Botsuana Mpule Kwelaboge venceu o concurso e proferiu um discurso engajado, em que mencionou Nelson Mandela. Nesta edição, apenas 13 anos depois, Leila comemorou mandando um beijo para a mãe e depois disse em entrevista que “o racismo não a afeta”. Meia verdade, já que ontem mesmo se noticiou que alguns sites fizeram menções racistas às candidatas afroamericanas e vale lembrar que Leila vem de um dos países mais pobres do continente, com expectativa de vida de 41 anos de idade. Ainda assim, a postura afirmativa e orgulhosa de Leila está em sintonia com um mundo em que o poder da cultura e da beleza afroamericanas é cada vez mais forte – e isto também tem relação com o sucesso de personalidades do showbiz, da política, da moda e das artes em todo o mundo.

A eleição de Barack Obama há dois anos desencadeou um sem fim de reflexões sobre o impacto que um líder negro de uma nação importante como os EUA teria sobre a auto-estima afrocamericana, o chamado “Efeito Obama” no mundo. Mas bem antes disso, muitas personalidades conquistaram o seu espaço e enviaram a milhões o seu recado. Nestes últimos dez anos, a apresentadora americana Oprah Winfrey tornou-se uma das figuras mais populares, poderosas e influentes dos EUA – depois de anos à frente de um programa de auditório, hoje Oprah é dona de seu próprio canal de entretenimento e informação no país. Em pesquisa recente Oprah foi escolhida como a comunicadora mais admirada entre os americanos.

Na área musical, o universo dos rappers, que surge como expressão da cultura e do pensamento das comunidades negras, movimenta milhões no showbizz. Entre os dez mais elencados pela Forbes nenhum deles ganha menos de dez milhões de dólares por ano. O americano Jay-Z está no topo da lista em dois rankings consecutivos realizados pela Forbes com uma fortuna de US$ 37 milhões. E Beyoncé, que é casada com o rapper, também está entre as popstars mais bem sucedidas da atualidade. Em levantamento da Forbes junto a 20 astros de hip-hop, Jay-Z deixou para trás outros rappers que também faturam alto: Diddy, que ganhou US$ 36 milhões, Kanye West, US$ 16 milhões e Lil Wayne, com US$ 15 milhões. Eminem e Snoop Dogg ganharam US$ 14 milhões.

A força da cultura negra se revela em todas as áreas e movimenta bilhões em todo o mundo, ainda que o preconceito persista e que a pobreza e miséria de gerações de afroamericanos necessistem mais tempo e ação política para serem corrigidas. E neste sentido a expressão "Black Power", criada por Stokely Carmichael, militante radical do movimento negro nos EUA, em 1966, não envelheceu, mas ganhou novos significados. Carmichael disse há quase meio século: "Estamos gritando liberdade há seis anos. O que vamos começar a dizer agora é poder negro". E assim foi. E só por isto, hoje, em pleno século XXI, a vencedora Leila Lopes pode se dar ao luxo de dizer, com ar blasé, que "o racismo já não me afeta".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247