Brasilienses trocam protesto por cultura

Sem marcha contra a corrupo e sem sol, a Feira do Livro atraiu muita gente neste feriado. Evento vai at 25 de novembro

Brasilienses trocam protesto por cultura
Brasilienses trocam protesto por cultura (Foto: Andressa Anholete / 247)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Natalia Emerich_Brasília 247 – A chuva não foi desculpa para passar o feriado em casa. Crianças e adultos aproveitaram o dia de folga para visitar a 30ª Feira do Livro de Brasília, aberta até 25 de novembro, no Pavilhão de Exposições ExpoBrasília do Parque da Cidade. Só pela manhã, cerca de 10 mil pessoas foram à feira, que já recebeu mais de 45 mil visitantes desde que começou, em 11 de novembro. Até o fim da programação, mais de 70 escritores brasileiros e estrangeiros terão passado pelo evento.

A programação não se limita à leitura. Quem visita o evento pode interagir com autores em bate-papos literários, ver exposições, assistir a espetáculos musicais e teatrais, além de participar de oficinas. Hoje, por exemplo, houve aulas de maquiagem e de fabricação de biscoitos. As atividades variadas parecem fazer sucesso. Em cinco dias, o público alcançou quase 25% do esperado para toda a temporada. “O objetivo é atingir a pluralidade de interesses da população”, explica a curadora da feira e presidente da Câmara do Livro do Distrito Federal, Iris Borges. “Queremos que o visitante saia daqui surpreso, satisfeito e com vontade de voltar.”

E há os que não querem ir embora. Encantadas com o universo da leitura e com histórias fantásticas, as crianças encheram a Arena Cultural, reservada a espetáculos, durante a interpretação de Clara Rosa (foto) de seu livro Um Amor de Encanto. As atenções se dividiram entre ouvir as histórias e a pressa em achar o livro desejado. “A peça está legal, mas quero comprar logo o livro de mágicas”, disse Leonardo Henrique Salma Júnior, 6 anos.

Futuros leitores

As crianças ganharam mesmo mais espaço na Feira do Livro. Segundo Iris, 40% dos 86 estandes da feira são destinados aos menores. O cuidado com o incentivo à leitura também agrada aos pais. “É na infância que se adquire o hábito pela leitura, é de suma importância para o desenvolvimento e para a educação”, acredita Dilceia Sarmento, 37 anos, mãe de Gabriella (foto). Embora a menina de 4 anos não saiba ler, já tomou gosto pelos livros. Faz questão de frisar que coleciona publicações. “Tenho uma biblioteca no meu quarto”, orgulha-se.

A feira envolve quem gosta de ouvir histórias e também quem as conta. Nascido no sertão do Rio Grande do Norte, o dono da Editora Cortez, José Xavier Cortez, foi um dos participantes do Café Literário (espaço de bate-papo com convidados) na segunda-feira (14). Personagem de um documentário, O Semeador de Livros, e de duas publicações – Cortez, a Saga de um Sonhador e Rio, o Percurso do Menino Cortez –, o apaixonado por literatura foi convidado a contar sua trajetória. Nesta terça, aproveitou o feriado para ir ao evento como visitante. “Descobri o mundo e o desbravei graças aos livros”, conta. “Sem leitura as pessoas não crescem e o País não se desenvolve.”

30ª Feira do Livro de Brasília

Até 25 de novembro

De segunda a sexta, das 16h às 22h; sábados, domingos e feriados, das 11h às 22h

Pavilhão de Exposições ExpoBrasília do Parque da Cidade

Entrada gratuita

Informações: www.feiradolivrodebrasilia.com.br

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email