Deus, meu melhor amigo imaginário

Às vezes me sinto culpado em pensar no Altíssimo de um jeito tão informal. Mas, como cada um tem o deus que merece, prefiro, sem trocadilhos, pensar no meu como um cara muito, mas muito “espirituoso”

Gosto de pensar em Deus como meu melhor amigo imaginário e nem bem começo a escrever este texto já ouço aquela voz grave, cheia de ecos e efeitos especiais a me dizer: “Filhoooo, pare de fazer cagaaaada, filho, vão apedrejar sua cabeça, filhooooo, saia de capaceeeete”. Deus é um cara legal, sem dúvida. Nunca conheci ninguém que tenha visto Deus pessoalmente, ou que tenha voltado do encontro para contar como Ele é. Por via das dúvidas, a melhor coisa mesmo é acreditar sem ver, porque se você encontrá-Lo, meu amigo, acho que você estará realmente com problemas… Mas enfim…

Se amigos imaginários são amigos que temos sem que eles existam em carne e osso, logo Deus é o amigo imaginário universal. O lado bom disso é que ao acreditar no Divino ninguém vai te vestir com uma camisa de força. A lição que fica é: se por acaso você tiver um amigo desse tipo e que não se apresente como Deus, na próxima conversa, sugiro fortemente que debatam a forma como um chama ao outro. Isso pode fazer toda a diferença. Só não consigo entender porque uma criança ao falar de um amigo imaginário vai para o psicólogo enquanto alguém que vê o retrato do Filho Dele num pão com margarina acaba por virar santo. Mas não vamos polemiza, não é?

Às vezes me sinto culpado em pensar no Altíssimo de um jeito tão informal. Mas, como cada um tem o deus que merece, prefiro, sem trocadilhos, pensar no meu como um cara muito, mas muito “espirituoso”. Do fundo do meu coração não duvido que haja pessoas que falem com Ele. A minha única preocupação, obviamente, é o que Ele anda dizendo a meu respeito para essas pessoas e que tipo de informação anda circulando na rede do Céu.

Sinceramente, se eu pudesse, grampearia essas ligações, mesmo correndo o risco de ouvir coisas que posso não gostar. O problema é encontrar o jeito de dar um gato em Deus, já que ele é onipresente, onisciente e onipotente. Imagino que haja problemas técnicos para fazer esse “selviço” e o único cara que é capaz de, vez por outra, fazer algo do gênero, não é lá flor que se cheire! Por isso, melhor deixar tudo com está!

E para quem conseguiu chegar até o fim deste texto e pensa que sou um herege e que só faço blasfemar, pode ficar tranqüilo que Deus não liga para essas coisas. Pelo menos foi o que Ele me falou…

Conheça a TV 247

Mais de Cultura

Ao vivo na TV 247 Youtube 247