Em ofensiva contra Ancine, Bolsonaro corta 43% de fundo do audiovisual

Em mais uma ofensiva contra a Ancine (Agência Nacional do Cinema), o Jair Bolsonaro ataca a principal fonte de fomento de produções audiovisuais no Brasil. Um projeto apresentado ao Legislativo prevê um corte de quase 43% do orçamento do Fundo Setorial do Audiovisual, para R$ 415,3 milhões em 2020. É a menor dotação nominal para o fundo desde 2012

Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em mais uma ofensiva contra a Ancine (Agência Nacional do Cinema), o Jair Bolsonaro agora ataca a principal fonte de fomento de produções audiovisuais no país. Um projeto de lei apresentado ao Poder Legislativo prevê um corte de quase 43% do orçamento do FSA (Fundo Setorial do Audiovisual), para R$ 415,3 milhões em 2020. É a menor dotação nominal para o fundo desde 2012, quando ele recebeu R$ 112,36 milhões.

A maior redução aconteceu nos chamados investimentos retornáveis ao setor audiovisual por meio de participação em empresas e projetos - R$$ 650 milhões para R$ 300 milhões. É com este tipo de iniciativa que agência aporta dinheiro em produções para ter retornos financeiros. 

Projetos audiovisuais específicos também terão suas cifras reduzidas, de R$ 3,5 milhões em 2019 para R$ 2,5 milhões em 2020. 

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, o ex-ministro da Cultura e deputado federal Marcelo Calero (Cidadania-RJ) afirmou que o corte nos recursos do FSA é uma declaração de guerra do governo a um setor que gera empregos e é considerado icônico da nova economia.

"Todos os países investindo em indústrias que se relacionem à criação, à criatividade, e o Brasil na contramão disso. Seja na parte de pesquisa e desenvolvimento científico, seja na parte de cultura e artes", disse. "São medidas que têm um componente ideológico muito forte."

Calero considerou ainda a neutralização da Ancine um processo "atrasado e obscuro" de conter a vanguarda de pensamentos. "No fundo você tem aí mais um elemento de um grande processo autoritário."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247