Exposição sobre Georges Méliès conta a história da ilusão no cinema

Os mundos construídos por Méliès, povoados com demônios, fantasmas, fadas e seres interplanetários, são apresentados em mais de 120 peças, no Museu da Imagem e do Som, em São Paulo

Exposição sobre Georges Méliès conta a história da ilusão no cinema
Exposição sobre Georges Méliès conta a história da ilusão no cinema (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Brasil - Uma nave espacial é uma das atrações da exposição Georges Méliès, Mágico do Cinema, aberta nessa semana no Museu da Imagem e do Som (MIS), zona oeste da cidade de São Paulo. Dentro da espaçonave é exibido o primeiro filme com imagens do terreno lunar, a obra Viagem à Lua. Na película, lançada em 1902 e a mais conhecida do pioneiro francês, foram utilizados recursos que consagraram o cineasta como inventor dos efeitos especiais para o cinema.

Os mundos construídos por Méliès, povoados com demônios, fantasmas, fadas e seres interplanetários, são apresentados em mais de 120 peças. São  desenhos, fotografias, itens de figurino e filmes reunidos ao longo de 100 anos. Os objetos narram a história de como Méliès começou como ilusionista em um teatro e transportou suas habilidades para as telas de cinema.

“É uma exposição que foi montada pela cinemateca francesa, em Paris. Tem acervo da própria cinemateca e tem o acervo da família que foi comprado pelo governo francês”, explica o diretor do MIS, André Sturm.

A partir da exposição o visitante poderá entender um pouco melhor como o cineasta conseguia fazer seus efeitos especiais sem auxílio dos recursos técnicos disponíveis atualmente.

“Os efeitos eram feitos no set ou, no máximo, na câmera, com truques de filmagem, como filmar quadro a quadro, filmar o negativo duas vezes, para ter duas imagens no mesmo negativo. Mas tudo em operações que davam muito trabalho, mas que resultaram nesses filmes incríveis”, explica Sturm.

Essas imagens feitas essencialmente a partir da criatividade chamam a atenção de quem trabalha com a tecnologia de hoje. Na abertura da mostra a design de animação, Erika Auler, olhava com atenção as gravuras desenhadas há cerca de 100 anos. “É muito antigo e ele fez umas coisas que me inspiram. É bem legal o que ele fez, quadro a quadro”, destacou. No processo artesanal, o artista algumas vezes pintava à mão cada um dos fotogramas do filme.

As peças trazem ainda um pouco do contexto da época, pouco depois da invenção da imagem em movimento apresentada ao mundo pelos irmãos Lumière. “A tentativa foi de ambientalizar esse universo dele. Tentei recriar essa época do final do século 18, a belle époque francesa”, ressalta a diretora de arte da exposição, Carol Nogueira. Segundo ela, a mostra busca ainda fazer com que o público sinta a sensação de estar dentro do universo de ilusão criado por Méliès.

Para completar a experiência, os visitantes poderão fazer um filme usando os mesmos recursos do artista. Em uma das salas da mostra, foi montado um cenário com dinossauros, peixes-voadores e asteróides, onde os inscritos terão meia hora para montar um filme. As imagens serão editadas e disponibilizadas no dia seguinte em versão de 30 segundos.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247