Fundação Palmares censura acervo de Marighella. Fernando Morais quer incluí-lo em centro de memória histórica

O bolsonarista Sérgio Camargo, presidente da Fundação Palmares, censurou o acervo de Carlos Marighella, afirmando que se trata de material "imprestável". Fernando Morais diz que quer recolher o arquivo para alocá-lo em um centro de memória

Carlos Marighella
Carlos Marighella (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O bolsonarista Sérgio Camargo, presidente da Fundação Palmares, em mais uma demonstração de obscurantismo, censurou o acervo de Carlos Marighella, assassinado pela ditadura militar. Marighella foi líder comunista, guerrilheiro e também poeta.

O jornalista e escritor Fernando Morais anuncia que quer acolher o acervo censurado pela Fundação Palmares, informa Mônica Bergamo na Folha de S.Paulo. 

O presidente da Fundação afirmou que o arquivo de Carlos Marighella é "imprestável".Por seu turno, Morais diz que pretende colocar o acervo no centro de memória histórica do Brasil contemporâneo que ele está montando na Casa de Mariana —na cidade mineira de mesmo nome, onde nasceu. 

A Fundação Cultural Palmares foi criada em 1988 para promover e preservar os valores culturais, históricos, sociais e econômicos decorrentes da influência negra na formação da sociedade brasileira. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email