Gal Costa teme ditadura do governo Bolsonaro: “A gente que viveu na época da ditadura tem medo que volte”

Cantora também comentou a tentativa de censura na Bienal do Livro do Rio de Janeiro, quando o prefeito Marcelo Crivella mandou fiscais para recolherem HQ com beijo gay

Aos 50 anos de carreira, Gal Costa critica censura atual às artes
Aos 50 anos de carreira, Gal Costa critica censura atual às artes (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da revista Fórum – A cantora Gal Costa disse em entrevista que tomou um susto com a tentativa de censura na Bienal do Livro do Rio de Janeiro e que teme que a ditadura volte.

Ao Estadão, a cantora e um dos maiores nomes da MPB falou sobre a turnê de seu último disco, A Pele do Futuro, e sobre os tempos que estamos vivendo hoje. Gal fez parte da Tropicália, um dos movimentos mais importantes da música brasileira e que bateu de frente com a Ditadura Militar.

“Quando eu assisti pela televisão que o Crivella tinha censurado o beijo de dois homens na Bienal do Rio, que eu vi as pessoas falando que ele tinha permitido vender os livros num invólucro preto, me lembrei do Índia“, disse a cantora. O disco Índia de Gal saiu nos anos 1970 e foi censurado, sendo comercializado em plástico preto.

“Tomei um susto”, continua, “porque me veio essa lembrança, e aí achei uma coisa horrorosa, porque, com o governo federal que a gente tem hoje, a gente fica assustada com as declarações, com a maneira como as coisas são tratadas.”

Leia a íntegra na Fórum

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247