Gil critica celebração ao golpe de 64 ao relembrar censura à música 'Cálice'

Com a hashtag "DitaduraNuncaMais", Gil lembrou da ação dos órgãos de repressão da ditadura, em uma clara crítica à orientação do governo Jair Bolsonaro aos quartéis para que fizessem atos em comemoração do golpe de 1964

Gil critica celebração ao golpe de 64 ao relembrar censura à música 'Cálice'
Gil critica celebração ao golpe de 64 ao relembrar censura à música 'Cálice'
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O cantor e compositor Gilberto Gil publicou em sua página nas redes sociais a imagem do documento que revela a censura imposta pelo regime na música "Cálice", composta por ele e por Chico Buarque.

Com a hashtag "DitaduraNuncaMais", Gil lembrou da ação dos órgãos de repressão da ditadura, em uma clara crítica à orientação do governo Jair Bolsonaro aos quartéis para que fizessem atos em comemoração do golpe de 1964.

A música foi proibida de ser gravada e cantada em 1973. Gil desafiou a censura e cantou a música em um show para os estudantes, na Politécnica, em homenagem ao estudante de geologia da USP Alexandre Vanucchi Leme (o Minhoca), morto pelo regime.

Posteriormente, durante o show "Phono 73", festival promovido pela Polygram, Chico Buarque e Gilberto Gil tiveram os microfones desligados quando iriam cantar "Cálice", por decisão da própria produção do show, que não quis criar problemas com a ditadura.

A canção emblemática retrata o silenciamento imposto pelo regime, os desaparecimentos, torturas e mortes ocorridas durante os anos de chumbo no Brasil.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247