Gilberto Gil: 'quem defende Lula livre não está só'

O cantor e compositor Gilberto Gil afirma que tem apreço pelo ex-presidente Lula e sente pesar por tudo o que ele está passando; Gil é a favor do direito de Lula ser candidato e diz gostar muito de Fernando Haddad: "gosto muito de Haddad. É um nome interessante. Um homem muito preparado e sensível. Suficientemente jovem e suficientemente maduro ao mesmo tempo para ter uma compreensão do conjunto da sociedade brasileira hoje, da inserção do Brasil no mundo, da questão da economia"

Gilberto Gil: 'quem defende Lula livre não está só'
Gilberto Gil: 'quem defende Lula livre não está só' (Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil)

247 - O cantor e compositor Gilberto Gil afirma que tem apreço pelo ex-presidente Lula e sente pesar por tudo o que ele está passando. Gil é a favor do direito de Lula ser candidato e diz gostar muito de Fernando Haddad: "gosto muito de Haddad. É um nome interessante. Um homem muito preparado e sensível. Suficientemente jovem e suficientemente maduro ao mesmo tempo para ter uma compreensão do conjunto da sociedade brasileira hoje, da inserção do Brasil no mundo, da questão da economia". 

Gil concedeu entrevista à jornalista Fernanda Mena do jornal Folha de S. Paulo e comentou sobre diversos assuntos da política brasileira e também sobre seu novo álbum "Ok Ok Ok'. 

Sobre o eixo temático de seu novo trabalho, Gil, 76, destaca a situação de desprezo social pela qual passa a sociedade brasileira: "de todas aquelas em que estamos envolvidos nas nossas vidas. Especialmente as que dizem respeito ao conhecimento de todos, ao social, ao nosso país, ao mundo, à sociedade. São as dificuldades pelas quais passamos. Essa queixa permanente da sociedade, mais intensa em alguns lugares, como no Brasil, do que em outros. Essa é a vil situação: é o fato de não podemos viver uma situação celestial. Tem sempre um pouco de inferno e de purgatório na vida de todos."

Gil sublinha a situação do país e deixa entender que "Ok Ok Ok" é um de seus trabalhos mais políticos: "é a vil situação. É a dificuldade permanente, e crescente que vivemos. Tudo é exemplo. É como eu digo no final da música: "As palavras dizem sim, os fatos dizem não". Os fatos estão negando o tempo todo qualquer posicionamento mais permanente, mais fixo, mais nítido que você possa ter em relação a qualquer coisa. Ainda que você se posicione, a realidade está caminhando muito mais rápido do que qualquer posicionamentos. Posicionamentos são paradas. Você para, a realidade atropela, empurra você."

Sobre Bolsonaro, Gil comenta: "vejo com certo temor. Mas, ao mesmo tempo, tenho 76 anos e já vivi muita coisa. Por exemplo, eu presenciei a ascensão do primeiro grande núcleo do que se chama hoje de extrema direita, com [John] Enoch Powell [1912-1998], na Inglaterra. Depois vieram muitos outros, como Le Pen, na França. Eu fico receoso que esses corações dessas pessoas não compreendam que é preciso ter piedade, perdão, caridade, solidariedade, que é preciso estarmos juntos e que a vida é para todos, apesar das diferenças entre nós. Que temos de produzir a igualdade na diferença."

O compositor deixa claro seu respeito por Fernando Haddad, candidato a vice na chapa encabeçada por Lula que pode vir a ser o herdeiro da candidatura, caso o governo e o poder judiciário não respeitem a determinação do Comitê de Direitos Humanos da ONU: "Gosto muito de Haddad. É um nome interessante. Um homem muito preparado e sensível. Suficientemente jovem e suficientemente maduro ao mesmo tempo para ter uma compreensão do conjunto da sociedade brasileira hoje, da inserção do Brasil no mundo, da questão da economia."

 

 

Ao vivo na TV 247 Youtube 247