Havan usa Lei Rouanet para produzir o CD mais caro do mundo

Fico apenas no valor de cada CD: R$ 237.281,28  para 2 mil CDs a serem distribuídos gratuitamente dá, na boa e velha aritmética, R$ 118,64 por unidade. Acho que se trata do CD mais caro do mundo inteiro, diz Fernando Brito, sobre o projeto aprovado por Luciano Hang, da Havan, no Ministério da Cultura

Havan usa Lei Rouanet para produzir o CD mais caro do mundo
Havan usa Lei Rouanet para produzir o CD mais caro do mundo

Por Fernando Brito, editor do Tijolaço A Lei Rouanet,  seria, segundo  os bolsonaristas,  um dos “escândalos” petistas, embora criada por FHC. Com erros e acertos é o único instrumento de financiamento da cultura e seus controles eram muito maiores na era petista do que são hoje, no governo Michel Temer. Mas Bolsonaro tem razão em que há coisas inexplicáveis, ao menos uma envolvendo um de seus mais notórios apoiadores.

Pois este ano, o empresário Luciano Hang, dono das Lojas Havan e apontado pela Folha de S.Paulo como um dos promotores do envio de fake news pelo aplicativo Whatsapp, está “doando” R$ 237 mil reais para a gravação e multiplicação do primeiro CD de um cantor “sertanejo” de nome Edu Souza.

É o que foi proposto formalmente ao Ministério da Cultura  através de carta assinada por Jaison Gamba, diretor contábil da Havan, em fevereiro deste ano, caso o Conselho do MinC aprovasse o projeto. Aprovou e os pagamentos, em três parcelas, foram feitos em abril, maio e julho.

O objetivo, descrito na página do Ministério da Cultura, seria gravar e prensar, para distribuição gratuita em shows, dois mil exemplares do disco.

Está tudo aqui na página oficial.

Sem entrar no mérito da qualidade musical do cantor e compositor – que grava 10 músicas, seis de outra pessoa, Joílton Medeiros, que grava vídeos no Youtube sob o nome de Felipe Ferrazzo -, algumas delas com títulos poéticos como “A novinha terrorista” e “É hoje que a gente pira”.

Fico apenas no valor de cada CD: R$ 237.281,28  para 2 mil CDs a serem distribuídos gratuitamente dá, na boa e velha aritmética, R$ 118,64 por unidade. Acho que se trata do CD mais caro do mundo inteiro.

Se o dinheiro viesse do bolso dele, nenhum problema. Mas vai ser todo abatido do imposto devido pela Havan e, portanto, ficam na conta do dinheiro público.

Quem sabe os “bolsominions”, que tratam projetos culturais como se fossem puras e simples picaretagens, se interessam em apurar a história do CD de R$ 118,64 do dono da Havan?

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247