Jean Wyllys explica hipocrisia dos homofóbicos: inveja da liberdade

"Eu só forçaria a porta do armário de um canalha que estivesse publicamente condenando os homossexuais. Ficar no armário é uma coisa, agora, permanecer no armário, atacando os homossexuais, é outra. Isso eu jamais vou admitir. Canalhas como este deputado republicano do Ohio, nos EUA, que é um verdadeiro espelho da hipocrisia dos homofóbicos que acusam o nosso orgulho e nos chamam de 'gayzistas': todos estes, na verdade, sentem inveja da minha, da sua, da nossa liberdade", diz ele, ao comentar o caso do deputado homofóbico Wes Goodman que renunciou após ser flagrado numa relação homossexual 

"Eu só forçaria a porta do armário de um canalha que estivesse publicamente condenando os homossexuais. Ficar no armário é uma coisa, agora, permanecer no armário, atacando os homossexuais, é outra. Isso eu jamais vou admitir. Canalhas como este deputado republicano do Ohio, nos EUA, que é um verdadeiro espelho da hipocrisia dos homofóbicos que acusam o nosso orgulho e nos chamam de 'gayzistas': todos estes, na verdade, sentem inveja da minha, da sua, da nossa liberdade", diz ele, ao comentar o caso do deputado homofóbico Wes Goodman que renunciou após ser flagrado numa relação homossexual 
"Eu só forçaria a porta do armário de um canalha que estivesse publicamente condenando os homossexuais. Ficar no armário é uma coisa, agora, permanecer no armário, atacando os homossexuais, é outra. Isso eu jamais vou admitir. Canalhas como este deputado republicano do Ohio, nos EUA, que é um verdadeiro espelho da hipocrisia dos homofóbicos que acusam o nosso orgulho e nos chamam de 'gayzistas': todos estes, na verdade, sentem inveja da minha, da sua, da nossa liberdade", diz ele, ao comentar o caso do deputado homofóbico Wes Goodman que renunciou após ser flagrado numa relação homossexual  (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Jean Wyllys, em seu facebook

Criador da psicanálise (campo do conhecimento encarregado de dar conta da construção das subjetividades e da dinâmica dos desejos e das pulsões humanas), Sigmund Freud, disse - não com essas palavras, claro - que jamais conseguimos erradicar os desejos que nos assaltam: o que fazemos é recalcá-los. Mas, como, segundo Freud, recalque não significa erradicação, todo desejo recalcado pode retornar sob uma máscara. Um exemplo simplista (perdoem-me, psicanalistas amigos, essa simplificação, mas é o que é possível aqui no Facebook): uma pessoa que tem um desejo sexual por outra do mesmo gênero, mas que não pode realizá-lo por repressão social, recalca esse desejo, que acaba retornando sob uma máscara (a do ódio homofóbico, por exemplo).

O armário, para gays, lésbicas e bissexuais, também é uma estratégia de defesa. Fazer o coming out é bom em todos os sentidos, porque viver com medo é viver pela metade, mas cada um sabe onde o sapato lhe aperta o calo. Muitos e muitas desfrutam dos prazeres da homossexualidade e bissexualidade no armário, numa gestão esquizofrênica e carregada de culpa da própria vida. Fazer o coming out também é ser potencialmente vítima de violência, simbólica e real. Por tudo isto, eu não condeno alguém que se mantenha no armário. Tenho apenas uma exceção...

Eu só forçaria a porta do armário de um canalha que estivesse publicamente condenando os homossexuais. Ficar no armário é uma coisa, agora, permanecer no armário, atacando os homossexuais, é outra. Isso eu jamais vou admitir. Canalhas como este deputado republicano do Ohio, nos EUA, que é um verdadeiro espelho da hipocrisia dos homofóbicos que acusam o nosso orgulho e nos chamam de "gayzistas": todos estes, na verdade, sentem inveja da minha, da sua, da nossa liberdade.

[No livro “O fim do armário”, que eu já recomendei aqui a vocês, tem um longo e muito interessante capítulo sobre o “outing”, que é justamente a prática de tirar outras pessoas do armário sem seu consentimento. E o autor defende justamente a mesma única exceção que eu faço aqui. Vocês podem adquirir o livro na pré-venda: http://catarse.me/fim_armario]

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247