Mangueira levou para a avenida o 'Jesus da Gente', não o do ódio fundamentalista

A Mangueira fez um desfile tecnicamente irrepreensível no início da madrugada desta segunda-feira. Colocou na avenida o Jesus da Gente, identificado com o povo oprimido, escreve o jornalista Joaquim de Carvalho

(Foto: Riotur)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - "Na avenida, Jesus foi retratado também como índios, mulheres, gays e outras vítimas da opressão", escreve Joaquim de Carvalho.

"Na ala Bandido Bom É Bandido Morto, Jesus apareceu como um jovem negro crucificado, uma referência a quem mais é assassinado por policiais: negros, pobres e com menos de 30 anos de idade".

"Há mais verdade do enredo da escola de samba do que na pregação de qualquer pastor neopentecostal".

"A Mangueira fez o que dela se esperava e é uma forte candidata ao bicampeonato em 2020".

Leia a íntegra no DCM 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247