Mario Frias diz que Lei Aldir Blanc, que socorre trabalhadores da Cultura, é "esmola"

“Artista não quer esmola. A maioria que eu vejo diz: ‘Me deixa trabalhar’. Não quero auxílio”, afirmou o novo secretário da Cultura de Jair Bolsonaro, Mario Frias. A relatora da Lei Aldir Blanc, Jandira Feghali, rebateu

(Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O novo secretário especial de Cultura de Jair Bolsonaro, o ator Mario Frias, chamou de "esmola" o auxílio emergencial de R$ 600 para trabalhadores do setor de Cultura, garantido pela recente Lei Aldir Blanc. A declaração foi feita em entrevista pelo YouTube ao canal do deputado federal Eduardo Bolsonaro.

“Artista não quer esmola. A maioria que eu vejo diz: ‘Me deixa trabalhar’. Não quero auxílio. A responsabilidade de sustentar a classe artística está na mão dos governadores”, disse.

A relatora da Lei Aldir Blanc, deputada federal Jandira Feghali, rebateu, em entrevista para a coluna de Chico Alves, do UOL, a fala do secretário. "Só os que não enxergam a real dificuldade do povo podem achar que não tem significado”.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247