Morre Chinua Achebe, avô da literatura africana

Romancista e poeta nigeriano, Chinua Achebe morreu aos 82 anos; Nelson Mandela, que leu seus livros enquanto estava preso durante o regime de segregação racial sul-africano, o classificou de um escritor "em cuja companhia os muros da prisão desmoronavam"

Morre Chinua Achebe, avô da literatura africana
Morre Chinua Achebe, avô da literatura africana
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

LAGOS, 22 Mar (Reuters) - O romancista e poeta nigeriano Chinua Achebe, amplamente visto como um avô de literatura africana moderna, morreu aos 82 anos de idade.

Desde a publicação de seu primeiro romance "O Mundo se Despedaça", 50 anos atrás, Achebe formou um entendimento da África pela perspectiva africana muito mais do que qualquer outro autor.

Como romancista, poeta e locutor, Achebe foi um parâmetro contra o qual gerações de escritores africanos foram comparadas. Para as crianças de todo o continente, seus livros foram por décadas um abrir de olhos para o poder da literatura.

Descrevendo Achebe como "um colosso da literatura africana", o presidente da África do Sul, Jacob Zuma, lamentou sua morte.

Nelson Mandela, que leu livros de Achebe enquanto estava preso durante o regime de segregação racial sul-africano, o classificou de um escritor "em cuja companhia os muros da prisão desmoronavam".

"O Mundo se Despedaça", publicado em 1958, fala do combate fatal entre sua etnia Igbo e colonizadores britânicos nos anos 1800. Foi a primeira vez que a história da colonização europeia no continente foi contada de um ponto de vista africano para uma audiência internacional.

O livro foi traduzido para 50 idiomas e teve mais de 10 milhões de cópias vendidas em todo o mundo.

Mais tarde, Achebe voltou sua atenção para a devastação levada à Nigéria e à África por golpes militares e ditaduras.

"Anthills of the Savannah" ("Formigueiros da Savana", em tradução livre), publicado em 1987, se passa após um golpe num país africano fictício, onde o poder foi corrompido e a brutalidade do Estado silencia a todos, exceto os mais corajosos.

A dor pela morte de Achebe foi sentida em toda a Nigéria, mas especialmente em sua terra natal, no sul do país, lar dos Igbos.

"Toda nossa família está chorando de luto", disse o primo do escritor e um chefe tradicional da etnia, Uba Onubon, à Reuters no vilarejo de Ikenga.

(Reportagem de Tim Cocks)

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email