CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Cultura

Ópera pop

O festival do concertos opersticos organizado em Braslia aliou o erudito ao popular e lotou os teatros, reunindo muita gente jovem

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247, com agência Brasil - Filas. Ingressos gratuitos esgotados em poucas horas. Pessoas entusiasmadas aplaudindo ao fim dos ensaios. Se havia alguma dúvida quanto à existência de público para espetáculos de ópera na capital federal, ela se desfez durante a abertura do 1º Festival de Ópera de Brasília, no último dia 7 de junho. Os organizadores tiveram de providenciar cadeiras extras para acomodar quem não conseguiu lugar entre as 1,6 mil poltronas da Sala Villa Lobos do Teatro Nacional.

“A qualidade musical dos espetáculos e dos artistas não deixam nada a desejar. Temos uma grande orquestra, importantes cantores do cenário nacional e músicos locais talentosos”, comentou o diretor musical da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional e diretor geral do festival, o maestro Cláudio Cohen. Empolgado com o interesse do público por um gênero musical tido por muitos como elitista, Cohen já dá como certo a transformação da iniciativa em um evento anual.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Ao acompanhar, na quinta-feira 16, o último ensaio antes das duas apresentações da obra Pagliacci, do italiano Ruggero Leoncavallo (1857-1919), a Agência Brasil comprovou que o público é heterogêneo, composto por entusiastas do gênero e por quem diz que só não havia ido a um espetáculo antes por falta de oportunidades. Como os músicos se apresentaram devidamente caracterizados, vestindo todo o figurino, com a orquestra sinfônica completa e a apresentação da peça na íntegra, boa parte do teatro foi ocupada por quem não havia conseguido um ingresso para as apresentações. Caso do jornalista Luis Joca que disse ter ficado satisfeito. “Gosto de ópera, mas, pela falta de oportunidades, tenho assistido a poucas. Deveria haver mais espetáculos na cidade e a ideia de tornar este festival anual é maravilhosa.”

“A ópera não é um bicho de sete cabeças e eu tenho certeza de que muitas pessoas se apaixonam na medida em que são apresentadas ao gênero. O que falta é mais informação e divulgação. Como a mídia, em geral, só exibe o que interessa ao mercado, algumas pessoas a consideram algo chato, difícil, mesmo sem nunca ter assistido a um espetáculo”, argumenta o maestro Emílio de César, convidado para reger Pagliacci. O espetáculo é apresentado, como outras obras, com tradução simultânea do texto (libreto). “Além disso, seria necessário maior atenção e estímulo por parte do Poder Público. Montar um espetáculo destes é muito caro e para formar público não bastam eventos pontuais. É necessária uma agenda regular”, acrescentou o maestro.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Criado, segundo Cohen, para atender “à demanda reprimida” da capital e para “baixar os custos necessários à realização de uma série de espetáculos exibidos isoladamente”, o festival não apenas trouxe a Brasília artistas já conhecidos para se apresentar com a Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional, como deu a muitos jovens cantores e estudantes de música de Brasília e Goiânia a oportunidade de cantar uma ópera em público pela primeira vez. Tudo isso, de acordo com Cohen, por aproximadamente R$ 600 mil. “O que não é nada para um evento deste porte. Logicamente, para o futuro, nós já estamos pensando em como montar óperas maiores, com um maior número de apresentações, e isso elevará os custos.”

Um dos músicos convidados, o tenor porto-alegrense Juremir Vieira, vive há 15 anos na Suíça, para onde se mudou com o intuito de viver exclusivamente da ópera. Para ele, embora haja público para o gênero, bons profissionais e professores para instruir “os muitos jovens que querem cantar ópera”, o Brasil ainda não conseguiu encontrar uma forma ideal de financiar as companhias artísticas. Segundo ele, mesmo na Europa, essas companhias não conseguem viver exclusivamente da bilheteria.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

“Na Europa, além do patrocínio estatal, há casos de teatros e orquestras mantidos pela iniciativa privada. Aqui, há demanda, mas ainda é preciso mudar a mentalidade dos patrocinadores”, comentou Vieira, apontando uma razão para não voltar a viver no Brasil. “Gostaria de voltar, mas isso depende do mercado que, aqui, depende exclusivamente dos governos, que são burocráticos. Os cachês, aqui, demoram muito para serem pagos. Já tive que esperar um ano para receber o cachê de uma apresentação. Como sobreviver durante este tempo sem ter que fazer outras coisas?”.

O 1º Festival de Ópera de Brasília segue até o final do mês, sempre com entrada franca. Além da última apresentação do espetáculo Pagliacci, às 20h de hoje (18), o público poderá ver, nas próximas quinta (23) e sexta-feira (24), a montagem de Cavalleria Rusticana, composta pelo também italiano Pietro Mascagni (1863-1945). No dia 28, encerramento do evento, o maestro Cláudio Cohen irá reger o concerto no qual todos os solistas que tenham se apresentado durante o mês dividirão o palco.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

 

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO