Pacotão, sempre na contramão

Livro conta a histria do bloco mais tradicional de Braslia e mostra como folies protestam desde 1978; autor precisa de patrocnio para public-lo

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Natalia Emerich_Brasília 247 – O engenheiro Fernando Fonseca, 58 anos, tem faro e vocação de pesquisador. Já publicou livros sobre o Lago Paranoá, a estação ecológica de Águas Emendadas e o bar Beirute. Agora está esperando patrocinador para publicar "Pacotão na Contramão", um relato dos 33 anos do bloco carnavalesco que tem como marca a crítica a governos e políticos, sem livrar a cara de nenhum.

Em seu primeiro desfile, em 1978, o Pacotão saiu pela contramão na W3. A moda pegou. E desde então não há período carnavalesco em que a imprensa não se refira ao Pacotão como "irreverente". Irreverência que Fonseca incorporou até na paginação de seu livro, que começa pela última página. Se o leitor quiser ler pela mão certa, vai se deparar com a palavra "Fim" na primeira página. 

Além das famosas frases expressas nas faixas durante mais de três décadas, as 412 páginas trazem depoimentos de foliões, fotografias e curiosidades sobre a história do bloco até a edição deste ano. "A pretensão da obra é resgatar a memória cultural da cidade", diz Fonseca. "Eram informações perdidas, cujos registros estão indo pelo ralo e decidimos preservá-las."

 

Faixas criadas pelos foliões

O Pacotão foi criado por jornalistas que, reunidos no Clube da Imprensa, decidiram dar uma movimentada no fraco carnaval brasiliense. Pouco tempo antes o governo militar havia fechado o Congresso e editado o "pacote de abril", com medidas autoritárias. No espírito da época, o grupo uniu então a diversão ao protesto. O bloco recebeu então o pomposo nome de Sociedade Armorial Patafísica e Rusticana O Pacotão.

"Quem participava do Pacotão esculhambava todo mundo que merecia", lembra Fonseca. Ao longo dos anos quase todos os fundadores do Pacotão deixaram o bloco e outros assumiram o comando. Mas o presidente é o mesmo desde 1978: Charles Preto, personagem fictícia criada para ironizar o então diretor do Departamento de Turismo, Carlos Black, que queria enquadrar o bloco em normas de desfile nas ruas – sem o menor sucesso, claro.

"Pacotão na Contramão" está pronto, mas falta dinheiro. Não há patrocinadores para o projeto e o custo para a impressão de 3 mil exemplares é de R$ 150 mil. Uma estatal quase aceitou o desafio, mas desistiu na reta final. O temor foi a exposição escrachada de figurões da política atual na história do bloco.

Os livros serão doados ao Sindicato dos Jornalistas do DF. O dinheiro arrecadado com as vendas será revertido para o Clube da Imprensa, onde o bloco nasceu. O clube acumula dívidas que somam mais de R$ 660 mil – principalmente com o Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) e o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) – e tem fluxo de caixa negativo, de cerca de R$ 25 mil mensais.

"O lucro com os exemplares não quitará os débitos acumulados pelo clube, porém dará condições para investir novamente em atividades culturais", explica o presidente do Sindicato dos Jornalistas do DF e do Clube da Imprensa, Lincoln Macário.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email