HOME > Cultura

Poetisa mineira Adélia Prado ganha o Prêmio Camões 2024, o mais importante da língua portuguesa

Na semana passada, Adélia Prado também foi agraciada com o Prêmio Machado de Assis 2024, a maior honraria da Academia Brasileira de Letras (ABL)

Adélia Prado (Foto: Frame / TV Cultura)

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - A poetisa e escritora brasileira Adélia Prado foi anunciada nesta quarta-feira (26), como a vencedora do Prêmio Camões 2024. O anúncio foi feito pelo Ministério da Cultura de Portugal, conferindo à autora uma premiação de 100 mil euros. A decisão do júri, composto por escritores e estudiosos brasileiros, portugueses e de Moçambique, foi concluída na manhã de hoje. O Prêmio Camões é  mais importante reconhecimento da literatura em língua portuguesa. Na semana passada, Adélia Prado também foi agraciada com o Prêmio Machado de Assis 2024, a maior honraria da Academia Brasileira de Letras (ABL). 

Além do valor em dinheiro, o prêmio inclui um diploma assinado pelos presidentes de Brasil e Portugal. “Adélia Prado é autora de uma obra muito original, que se estende ao longo de décadas, com destaque para a produção poética. Herdeira de Carlos Drummond de Andrade, Adélia é lírica, bíblica, existencial, faz poesia como faz bom tempo. Adélia Prado é há longos anos uma voz inconfundível na literatura de língua portuguesa”, destacou o júri, de acordo com o jornal O Globo.

O Prêmio Camões foi instituído pelos governos de Brasil e Portugal em 1989. No ano passado, o cantor, compositor e escritor Chico Buarque participou de uma cerimônia para receber o prêmio que venceu em em 2019. Na época, o então presidente Jair Bolsonaro (PL) se recusou a assinar a documentação para que ele recebesse o diploma, o que foi feito pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Além disso, a pandemia de Covid-19 também contribuiu para que Chico recebesse a honraria. 

Adélia Prado nasceu em 1935, na cidade de Divinópolis, em Minas Gerais. Seu primeiro livro de poesias, "Bagagem", publicado em 1976, foi aclamado por Carlos Drummond de Andrade. Antes de se dedicar integralmente à literatura, Adélia exerceu o magistério por 24 anos. A sua obra é marcada por uma profunda sensibilidade para questões existenciais, combinando misticismo e cotidiano, e abordando temas como a vida interior, religiosidade e o feminino. 

Com mais de 20 livros publicados, incluindo poesia, prosa e antologias, Adélia é reconhecida por sua capacidade de escrever do ponto de vista de mulheres dedicadas à família, assombradas pela morte, que gostam de sexo e temem a Deus. O poeta Affonso Romano de Sant’Anna afirmou que “Adélia não usa uma linguagem de empréstimo aos homens”, mas “está ali pisando no seu chão, com um caderno de poesia ao lado do fogão".

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Relacionados