Primeira mulher negra a ganhar Nobel de Literatura, Toni Morrison morre aos 88 anos

A escritora norte-americana Toni Morrison, cujo romance “Amada”, de 1987, sobre um escravo fugitivo lhe rendeu um Prêmio Pulitzer e contribuiu para o conjunto de uma obra que fez dela a primeira mulher negra a receber o Prêmio Nobel de Literatura, morreu aos 88 anos; causa da morte não foi revelada

(Reuters) - A escritora norte-americana Toni Morrison, cujo romance “Amada”, de 1987, sobre um escravo fugitivo lhe rendeu um Prêmio Pulitzer e contribuiu para o conjunto de uma obra que fez dela a primeira mulher negra a receber o Prêmio Nobel de Literatura, morreu aos 88 anos, disse sua editora.

Paul Bogaards, porta-voz da editora Alfred A. Knopf, anunciou a morte, mas não informou a causa.

A trama de “Amada” transcorre durante a Guerra Civil dos Estados Unidos e se baseou na história verdadeira de uma mulher que matou a filha de 2 anos para que ela não se tornasse escrava. A assassina foi capturada antes de conseguir se matar, e o fantasma da criança, conhecida como Amada, visita a mãe.

Em 2015, Toni Morrison disse à revista NEA Arts que já havia escrito um terço do livro quando decidiu usar o fantasma para abordar o questionamento moral a respeito de a mãe ter ou não razão de matar a filha.

O livro virou um filme estrelado por Oprah Winfrey, que o coproduziu, e Danny Glover.

O romance faz parte de uma trilogia que a autora disse tratar do amor pela perspectiva da história dos negros. “Jazz”, publicado em 1992, fala de um triângulo amoroso durante o movimento Renascimento do Harlem de Nova York nos anos 1920, e o terceiro livro, “Paraíso”, publicado em 1997, fala de mulheres de uma cidade pequena e predominantemente negra.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247