Secretário de Cultura, Mário Frias pede à Cinemateca Brasileira que entregue as chaves na sexta-feira

O secretário especial da Cultura do governo Federal, Mário Frias, enviou um ofício à associação que gere a Cinemateca Brasileira pedindo que esta "proceda a entrega das chaves" da instituição ao governo

Mário Frias
Mário Frias (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O secretário especial da Cultura do governo Federal, Mário Frias, enviou um ofício à associação que gere a Cinemateca Brasileira pedindo que esta "proceda a entrega das chaves" da instituição ao governo federal e deu como prazo a sexta-feira (7). A secretaria também pediu que a Associação De Comunicação Educava Roquete Pinto (Acerp) transfira à pasta o patrimônio da instituição que possui dois imóveis em São Paulo: na Vila Clementino, zona sul, e na Vila Leopoldina, na zona oeste da capital paulista. 

"Reitera-se que o não atendimento à presente notificação ensejará nas medidas judiciais tanto para o restabelecimento da posse os mesmos pela União Federal, bem como para eventuais apurações de responsabilidade", afirma o ofício, de acordo com reportagem do jornal Folha de S.Paulo

O contrato da Acerp para a administração da Cinemateca terminou no ano passado. Em caráter de urgência, o Ministério Público Federal pediu a renovação do vínculo até o fim deste ano. O Judiciário negou o pedido sob o argumento de que a entidade deve ser gerida pela União.

Funcionários da Cinemateca disseram não estar recebendo salários. Um caixa da associação dedicado ao órgão manteve as atividades até abril, mas o dinheiro chegou ao fim.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247