Um dândi em Paris

A vida e a obra do pintor francs Edouard Manet so relembradas na maior exposio do artista dos ltimos trinta anos em Paris

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Natália Rangel, com agências internacionais – Há 30 anos o artista francês Edouard Manet (1832-1883) não ganhava uma retrospectiva tão ampla de seus trabalhos em seu país natal. O tradicional Museu d'Orsay organizou uma mostra que vai até o dia três de julho e refaz toda a trajetória do artista, em 140 obras – ele deixou um acervo de 400 telas em duas décadas de carreira. A mostra “Manet, o homem que inventou a modernidade” rediscute o papel do pintor na história da arte e relembra o impacto social de suas obras em seu tempo. Em ensaio sobre Manet, o crítico de arte Robert Hughes escreveu que Paris “é impensável sem Manet e o artista inimaginável sem Paris”.

O pintor foi um dos mais rebeldes de sua geração. Retratou Cristo como um homem fraco, oprimido e vulnerável em uma série de imagens que desagradaram a boa sociedade parisiense. Manet se comportava como um dândi proveniente da alta sociedade, uma espécie de Oscar Wilde das artes, e tinha entre seus admiradores e fieis companheiros de tavernas figuras como Charles Baudelaire, Emile Zolá e Claude Monet. Ele morreu aos 51 anos vítima de reumatismo e sífilis. E até hoje é classificado como o homem que fez a ponte entre o passado e o futuro da arte na Europa.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email