Acordo entre Embraer e Boeing fere estatuto de 2006, diz ex-diretor da Previ

"Vão entregar o controle do filé migon. Isso é um absurdo. Vai contra aquilo que foi feito lá atrás", afirma Renato Chaves, para quem o acordo com a Boeing tem potencial para manchar o modelo de pulverização de controle de companhias abertas no mercado de capitais; segundo ele, não há justificativa para a Embraer ser minoritária em uma empresa que basicamente será constituída por seus melhores ativos

Acordo entre Embraer e Boeing fere estatuto de 2006, diz ex-diretor da Previ
Acordo entre Embraer e Boeing fere estatuto de 2006, diz ex-diretor da Previ
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Um dos representantes da Previ na reestruturação da Embraer, em 2005, o ex-diretor da fundação e hoje consultor de governança, Renato Chaves, critica duramente o acordo feito pela empresa com a norte-americana Boeing.

Em entrevista à Renata Batista, no Estado de S.Paulo, ele avalia que o acordo com a Boeing tem potencial para manchar o modelo de pulverização de controle de companhias abertas no mercado de capitais, que só nos últimos anos ganhou força no Brasil.

"Vão entregar o controle do filé migon. Isso é um absurdo. Vai contra aquilo que foi feito lá atrás", diz, lembrando que a pulverização teve como objetivo abrir espaço para o crescimento da empresa, que tinha uma estrutura de capital engessada.

Segundo ele, não há justificativa para a Embraer ser minoritária em uma empresa que basicamente será constituída por seus melhores ativos. "A Boeing, em regional, é um zero. A Embraer é o player desse mercado", afirma.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247