Afinal, Neca Setubal é banqueira ou educadora?

Coordenadora do programa de governo de Marina Silva, Neca Setubal deflagra, nesta quinta-feira, uma operação midiática para sair das cordas e deixar de representar um peso para sua candidata; em entrevista ao Estado de S. Paulo, ela diz ser alvo de "preconceito"; na Folha, conta com uma generosa reportagem em que é sempre identificada como "educadora"; no entanto, ela própria diz que vive com os dividendos que recebe como acionista do Itaú e foi na condição de banqueira, não de educadora, que ela doou R$ 1 milhão ou 83% de todos os recursos do instituto de Marina Silva; na primeira entrevista que concedeu, após a morte de Eduardo Campos, a acionista do Itaú defendeu a agenda dos bancos e não mencionou a palavra educação uma única vez; até o fim da disputa, Neca não sairá da linha de tiro

Brasil, S„o Paulo, SP, 31/08/2010. Retrato da candidata ‡ PresidÍncia da Rep˙blica pelo Partido Verde (PV), Marina Silva(e), que se re˙ne com um grupo de mulheres de diferentes ·reas de atuaÁ„o para falar sobre as propostas do programa de governo e da lid
Brasil, S„o Paulo, SP, 31/08/2010. Retrato da candidata ‡ PresidÍncia da Rep˙blica pelo Partido Verde (PV), Marina Silva(e), que se re˙ne com um grupo de mulheres de diferentes ·reas de atuaÁ„o para falar sobre as propostas do programa de governo e da lid (Foto: Leonardo Attuch)

247 - A coordenadora do programa de governo de Marina Silva, Maria Alice Setubal, conhecida como Neca, deflagrou, nesta quinta-feira, uma operação para tentar sair das cordas e deixar de representar um peso para sua candidata, depois que as pesquisas eleitorais desta semana apontaram os primeiros problemas na campanha do PSB. Em dois levantamentos, da CNT/MDA e do Datafolha, Marina perdeu pontos e passou a estar em empate técnico com a presidente Dilma Rousseff no segundo turno. Uma das razões é o fato de Marina estar extremamente associada a Neca, herdeira do Banco Itaú, que deu a ela R$ 1 milhão no ano passado (83% de toda a receita do seu instituto).

A ação de imagem de Neca Setubal envolveu dois jornais paulistas. Ao Estado de S. Paulo, ela concedeu uma entrevista à colunista Sonia Racy, em que diz ser alvo de um preconceito contra banqueiros que vem desde a Idade Média. Na mesma entrevista, enfatiza sua condição de "educadora" (leia aqui). Na Folha, ela contou com uma generosa reportagem, que vai na mesma linha. "Acionista do Itaú e colaboradora de Marina viveu afastada dos negócios da família", diz o título (leia aqui).

O tom da reportagem não poderia ser mais claro:

Aos 63 anos, a educadora Maria Alice Setubal, mais conhecida como Neca, é dona de 1,3% das ações do grupo (o equivalente a 0,5% do Itaú Unibanco), mas nunca teve cargo nas empresas comandadas pela família.

Ela já deu aula em escolas e numa faculdade, e trabalha há anos com educação, cultura e projetos sociais. Seus filhos também estão fora do Itaú. Os dois rapazes trabalham em bancos concorrentes. A filha é psicanalista.

Neca não tem, praticamente, nada a ver com os destinos do Itaú. E a orientação interna da Folha, que talvez tenha marinado, parece ser tratá-la sempre como "educadora".

O problema, no entanto, é que foi a própria Neca quem escolheu desempenhar o papel de banqueira e porta-voz da agenda dos bancos na campanha de Marina.

Afinal, foi na condição de banqueira ou educadora que ela doou 83% dos recursos do instituto que se dedica a alimentar o mito Marina Silva? 

O ponto mais importante não é esse. Logo após a morte de Eduardo Campos, Neca Setubal passou a falar em nome da candidata Marina Silva, numa entrevista concedida ao jornalista Fernando Rodrigues, e defendeu a agenda dos bancos. O título da reportagem foi explícito: "Marina Silva acena ao mercado e promete autonomia para o BC" (leia aqui).

Na longa entrevista, a "educadora" Neca Setúbal não menciona uma única vez a palavra "educação". No entanto, discorre longamente sobre metas de inflação, autonomia do Banco Central e outros temas econômicos. Diz, inclusive, que Marina concederá autonomia ao BC, mesmo sem concordar com esta tese. Eis um trecho:

Eduardo Campos falou várias vezes que a meta de inflação seria perseguir 4,5% nos próximos quatro anos para assumir uma meta, de 3%, a partir de 2019. Isso vai estar explicitado no programa?

Vai.

Dessa forma?
Dessa forma. Exatamente. A meta de inflação vai para o centro, para 4,5%, ao longo do governo de quatro anos. Para depois chegar a 3%. Isso está explícito.

Economistas ortodoxos e alguns do governo dizem que para reduzir a inflação ao longo de quatro anos nesse nível seria necessário aumentar juros e produzir desemprego no país. Esse tema é tratado no programa?
Não dessa forma, não vai dizer. Acho que não existe "vou aumentar juros". Nenhum programa vai colocar dessa forma.
O capítulo de economia tem um olhar que combina com uma parte da gestão de recursos naturais. Busca-se um diálogo com o desenvolvimento sustentável.
O Eduardo [Campos] tinha um compromisso com o social. Ao mesmo tempo que enfatizava a gestão, nunca perdia de vista o compromisso com a questão social. Ele dizia que conseguiria compor: trazer a inflação [para o centro da meta] e ter responsabilidade fiscal. No programa de governo tem o que ele falou. Ele já havia falado de ter um conselho de fiscalização.

Marina, como o programa já está pronto, concordava com todos esses pontos e vai assumi-los?
Vai assumi-los. Vai assumir todos os programas. Ela tinha se posicionado em alguns pontos de uma forma diferente do Eduardo. Por exemplo, o caso do Banco Central. Ela achava que não era necessário ter uma autonomia formal do Banco Central. Ela não achava que precisaria... 

De uma lei...
...De uma lei para dar mais autonomia. Mas acho que são os consensos. Existiam diferenças e o programa reflete o que é de consenso. Então ela, enfim, aceitou isso.

No caso do Banco Central, como Eduardo propunha autonomia, mandatos para o presidente e diretores, isso tudo está mantido e será assumido por Marina?
Será assumido pela Marina. A declaração dela é que vai assumir todos os compromissos do Eduardo.

No caso do Banco Central, uma lei seria proposta?
Muitas vezes, Marina falava: "Bom, isso não era a minha posição, mas essa foi a posição do Eduardo e a gente concordou com isso". Então, ela vai assumir essas posições.

A autonomia do Banco Central?
É.

A entrevista de Neca Setubal após a morte de Campos deixa absolutamente claro que ela não falava como "educadora", mas sim como "banqueira". Ou, na melhor das hipóteses, como herdeira de um grande banco, cujos dividendos a sustentam, assim como o instituto Marina Silva.

Conheça a TV 247

Mais de Economia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247