Agora, a culpa é da Líbia

Presidente do BC diz que a guerra no Oriente Mdio e a tragdia no Japo podem alimentar a inflao. Mas o aumento nos preos comearam antes dessas crises



Rodolfo Borges, de Brasília - As crises do Norte da África e do Japão podem atingir o bolso do brasileiro. O aviso foi dado pelo presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, durante audiência pública da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, realizada na manhã desta terça-feira, 22/03. Tombini declarou aos senadores que a crise em países como a Líbia contribuiu para elevar os preços internacionais do petróleo, provocando um forte choque no processo de recuperação da economia mundial pós-crise de 2008. Outra preocupação do presidente do BC é a catástrofe do Japão, que pode gerar mudanças na matriz energética mundial e “amplia as incertezas sobre a recuperação da economia global e a evolução dos preços de importantes ativos, sejam eles commodities ou mesmo taxas de câmbio”.

O clima de incerteza internacional junta-se à grande valorização do preço internacional das commmodities (que subiram 70% nos últimos nove meses) para agravar o quadro interno de crescimento da demanda, que precisa ser suavizado, segundo Tombini. A alta nos preços das commodities afeta a economia brasileira de maneira mais intensa, pois os alimentos compõem 23% da cesta de consumo no pais. “A inflação voltou a ser uma preocupação global”, disse o presidente do BC, acrescentando que os fatores externos exigem uma análise mais complexa sobre a atuação do Brasil para controlar a inflação.

Tombini também demonstrou preocupação com o forte aquecimento no mercado de trabalho. “Há evidências de que alguns segmentos econômicos já enfrentam o desafio de encontrar profissionais”, disse, citando o setor de construção civil.Apesar do quadro complexo, o presidente do BC prevê que já a partir de abril a inflação tenderá para o centro da meta de 4,5% ao ano (o acumulado do Índice de Preços ao Consumidor fechou fevereiro em 6,01%). Até o fim do terceiro trimestre, contudo, a inflação permanecerá em patamares elevados, por conta de um efeito estatístico, decorrente da inflação elevada registrada no último semestre do ano passado.

Em clima de congraçamento – apenas os senadores Aloysio Nunes (PSDB-SP) e Marinor Brito (PSOL-PA) fizeram questionamentos de forma mais incisiva –, Tombini foi questionado pelos parlamentares sobre a eficiência da Selic para conter a inflação, a valorização do real frente ao dólar, a influência do mercado na elevação da taxa básica de juros e o papel dos gastos do governo no aumento dos preços. Sobre esse último assunto, o presidente do BC elogiou os esforços do governo para conter gastos neste início de ano.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email