Analistas de mercado já falam em divórcio entre Bolsonaro e os investidores

O governo pediu de fato o divórcio do mercado, as credenciais do mercado perante o governo foram fortemente abaladas. O impacto imediato pode não ser tão extremo como o ‘Joesley Day’, mas vai ser mais duradouro”, diz Roberto Attuch, da Ohmresearch

Paulo Guedes e Jair Bolsonaro
Paulo Guedes e Jair Bolsonaro (Foto: Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Priscila Yazbek, do Infomoney – Entre economistas e analistas que acreditam que as últimas notícias sobre a Petrobras (PETR4;PETR3) representam o divórcio do governo Bolsonaro e do mercado e períodos turbulentos pela frente, e os que acreditam em um impacto mais parecido com o “Joesley Day”, quando a Bolsa teve forte queda, mas logo se recuperou, todos concordam em um ponto: a segunda-feira (22) será de volatilidade, baixa na Bolsa e queda forte da Petrobras e de ações de estatais, com destaque para as elétricas.

Na sexta-feira, após a indicação do general Joaquim Silva e Luna para substituir Roberto Castello Branco na presidência da Petrobras, o EWZ, principal ETF brasileiro negociado no mercado americano, que replica o índice MSCI Brazil, caiu 3,64% no after market, período de negociação após o fechamento regular do mercado.

“Olhando o que aconteceu lá fora e considerando que o EWZ é dolarizado, espero uma queda de 2% a 2,5% na Bolsa nesta segunda, com todas as estatais estão sofrendo muito, principalmente Petrobras e Eletrobras [ELET3] – além de uma queda de 1% a 1,5% no dólar”, afirma Pedro Lang, head de renda variável da Valor Investimentos.

Um sinal de que a queda da estatal deve ser acentuada está nos ADRs da Petrobras, os recibos das ações negociados na Bolsa de Nova York. Os papéis fecharam o after market com queda de 9,55% na noite de sexta-feira (19), cotados a US$ 9,09.

Na B3, as ações preferenciais da estatal (PETR4, sem direito a voto) já haviam fechado a sexta em queda de 6,62%, apenas com a fala de Bolsonaro de que algo iria acontecer nos próximos dias, sem especificar o que seria. Junto à queda de 7,92% dos papéis ordinários (PETR3, com direito a voto), o valor de mercado da estatal passou de R$ 383 bilhões na quinta-feira (18) para R$ 354,8 bilhões na sexta, um valor R$ 28,2 bilhões menor.

Luiz Fernando Figueiredo, sócio da Mauá Capital e ex-diretor Banco Central, afirma que a queda vista no after market deve se repetir no pregão regular na segunda-feira, mas ressalta que o impacto deve ser limitado porque a discussão, por ora, não chegou a mexer com premissas fiscais.

“É só mais um sinal amarelo, bem ruim, sem dúvida, mas não é o caso de dizer que o governo deu uma guinada completa. Se fosse uma questão fiscal seria outra história. A situação das estatais sempre foi difícil, no próprio governo de Michel Temer, que era mais liberal, coisas assim aconteceram. A sinalização é péssima, mas tendo o fiscal preservado, não é algo que muda completamente o ambiente”, diz Figueiredo.

Roberto Attuch Jr., fundador e CEO da Ohmresearch, já tem uma visão mais pessimista sobre o cenário que está se desenhando. “Tem gente que está colocando panos quentes e comparando a situação atual ao ‘Joesley Day’, no sentido de achar que a Bolsa vai cair muito na segunda e daqui a um mês ninguém mais vai pensar nisso. O governo pediu de fato o divórcio do mercado, as credenciais do mercado perante o governo foram fortemente abaladas. O impacto imediato pode não ser tão extremo como o ‘Joesley Day’, mas vai ser mais duradouro”, diz.

Leia a íntegra no Infomoney e inscreva-se no canal de cortes do 247:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email