Anticomunismo tosco de Bolsonaro proíbe a venda no Brasil do melhor charuto do mundo

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) indeferiu no dia 23 de maio o pedido de renovação de registro da Cohiba, marca de charutos cubanos mais famosa do mundo. Decisão política da Agência determinou que o produto seja recolhido das lojas em 30 dias

(Foto: Charutos de Cuba Cohiba)

247 - Uma decisão totalmente política e ideológica da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), claramente influenciada pelo anticomunismo do governo Jair Bolsonaro, proibiu a venda de charutos cubanos no Brasil da marca mais famosa do mundo.

A Agência indeferiu no dia 23 de maio o pedido de renovação de registro da Cohiba, marca bastante sofisticada e usada para dar de presente a missões diplomáticas instaladas em Havana. A Cohiba foi criada em 1966 para que seus charutos fossem fumados por Fidel Castro e outras lideranças comunistas da ilha e do mundo.

A decisão determina que o produto - uma caixa no Brasil custa R$ 4 mil - seja recolhido das lojas em 30 dias. A empresa entrou com um recurso, no entanto, e por enquanto os produtos continuam nas prateleiras, informa o colunista Lauro Jardim.

O motivo alegado pela Anvisa é de que há um excesso de ácido sórbico no charuto, de acordo com o jornalista. A Emporium, que há duas décadas importa o Cohiba, garante que "não há inclusão de qualquer aditivo, por tratar-se de um produto 100% natural, a folha de tabaco".

O site Cuba Debate reproduziu a notícia com uma reportagem nesta segunda-feira 1, com base nas informações do Globo.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247