Apoio de Bolsonaro a Israel ameaça venda de carne aos países islâmicos

A exportação de carne para países islâmicos pode estar ameaçada diante da vitória de Jair Bolsonaro (PSL); o ex-militar candidato quer mudar a embaixada do Brasil de Tel Aviv para Jerusalém e cortar relações com a Palestina; na visão de especialistas, se isso ocorres, o imenso mercado de carnes entre Brasil e países muçulmados seria aniquilado; de acordo com a Fambras (Federação das Associações Muçulmanas do Brasil), 45% da carne de frango e 40% da bovina que o país exporta hoje levam o selo halal - ou seja, pode ser consumida segundo preceitos islâmicos

Apoio de Bolsonaro a Israel ameaça venda de carne aos países islâmicos
Apoio de Bolsonaro a Israel ameaça venda de carne aos países islâmicos (Foto: REUTERS/Paulo Whitaker)

247 - A exportação de carne para países islâmicos pode estar ameaçada diante da vitória de Jair Bolsonaro (PSL). O ex-militar candidato quer mudar a embaixada do Brasil de Tel Aviv para Jerusalém e cortar relações com a Palestina. Na visão de especialistas, se isso ocorres, o imenso mercado de carnes entre Brasil e países muçulmados seria aniquilado. De acordo com a Fambras (Federação das Associações Muçulmanas do Brasil), 45% da carne de frango e 40% da bovina que o país exporta hoje levam o selo halal --ou seja, pode ser consumida segundo preceitos islâmicos.

A reportagem do jornal Folha de S. Paulo destaca: a Fambras, "desde 1979, é a entidade que dá a certificação, que preconiza abate específico (por muçulmano, com oração, uso de faca, orientação para Meca) e avalia critérios como uso de insumos e linha de produção. São cerca de mil pessoas empregadas no processo".

A matéria ponta que "embaixadores de países muçulmanos fizeram chegar ao governo federal e à campanha de Bolsonaro sua preocupação. Empresários também devem procurá-los. Consideram que a retaliação comercial será inevitável caso o deputado mantenha a palavra".

 

 

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247