Argentina habilita compra de dólares a empresas com negócios com a PDVSA

Medida é divulgada no período em que o governo de Kirchner busca diminuir dolarização da economia

Argentina habilita compra de dólares a empresas com negócios com a PDVSA
Argentina habilita compra de dólares a empresas com negócios com a PDVSA (Foto: LUCIANO THIEBERGER/Divulgação)

Opera Mundi - O Banco Central da Argentina habilitou o acesso à compra de dólares às empresas do país que estabeleçam negócios com a estatal venezuelana PDVSA (Petróleos de Venezuela), em meio às restrições impostas pelo governo de Cristina Kirchner no setor cambial.

Através de uma circular, a entidade financeira autorizou o acesso à aquisição de divisas no valor oficial às companhias que, por exemplo, busquem importar bens de um terceiro país para depois vender à PDVSA, detalhou o jornal argentino Clarín.

Para obter esta habilitação, as empresas argentinas deverão apresentar uma certidão emitida pela venezuelana PDVSA, de acordo com a circular.

A resolução foi divulgada depois que na terça-feira passada os presidentes da Argentina, Cristina Kirchner, e da Venezuela, Hugo Chávez, assinaram uma "aliança estratégica" entre as petrolíferas YPF e PDVSA, ambas controladas pelo Estado.

O controle da YPF passou para as mãos do Estado argentino neste ano como resultado da desapropriação de 51% das ações do grupo espanhol Repsol.

Na última sexta-feira, o ministro de Planejamento argentino, Julio de Vido, e seu colega venezuelano de Petróleo, Rafael Ramírez, assinaram em Buenos Aires um documento que ratifica a aliança e permite a presença da YPF nas jazidas da Faixa do Orinoco e habilita a PDVSA a manter posições no setor energético da Argentina.

As duas companhias participarão também na empresa mista que será constituída na área de Ayacucho 6, na Faixa do Orinoco, e buscarão "financiamento conjunto" para a execução dos projetos, segundo o documento assinado pelos líderes.

A nova circular do Banco Central da Argentina faz parte também dos controles do governo de Cristina para a compra de dólares a fim de evitar a fuga de divisas.

O Executivo argentino impôs as primeiras restrições cambiais destinadas a "desdolarizar" a economia em novembro de 2011, mas as endureceu no mês passado, quando proibiu a compra de divisa estrangeira para entesouramento e para a aquisição de imóveis e aumentaram os controles a quem solicitava dólares para viajar.

As restrições impulsionaram o mercado negro de compra de divisas com um consequente aumento do preço do chamado dólar paralelo, que atualmente supera os 6 pesos, enquanto o oficial fica em 4,60 pesos.

Conheça a TV 247

Mais de Economia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247