BC torra US$ 1,5 bi em leilão para conter disparada do dólar

Com o avanço do dólar comercial nesta quinta-feira (30), quando chegou a valer quase R$ 4,17, o Banco Central (BC) anunciou leilão de US$ 1,5 bilhão em contratos de swap cambial – equivalente à venda de dólares no mercado futuro – para tentar conter a alta da moeda norte-americana; na última quarta-feira (28), o BC já havia anunciado a venda de US$ 2,15 bilhões das reservas internacionais do Brasil

BC torra US$ 1,5 bi em leilão para conter disparada do dólar
BC torra US$ 1,5 bi em leilão para conter disparada do dólar (Foto: REUTERS/Bruno Domingos)

Pedro Rafael Vilela - Repórter da Agência Brasil - Com o avanço do dólar comercial frente nesta quinta-feira (30), quando chegou a valer quase R$ 4,17, o Banco Central (BC) aunciou, no início da tarde, o leilão de US$ 1,5 bilhão em contratos de swap cambial – equivalente à venda de dólares no mercado futuro – para tentar conter a alta da moeda norte-americana.

Ao todo, no dia de hoje, foram fechados 34,3 mil contratos de swap nos leilões promovidos pelo BC, segundo informações da própria autarquia. O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, tinha queda de 1,88%, a 76.914,34 pontos. Mesmo com a atuação do BC, o dólar continua em alta na comparação com o dia anterior, quando encerrou o pregão vendido a R$ 4,114.

O dólar turismo, usado em viagens internacionais, está sendo vendido a R$ 4,56 em casas de câmbio de São Paulo, segundo consulta da Agência Brasil. O valor não inclui taxas de serviço e tributos, como o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), cobrado de quem compra a moeda na hora da transação.

Na última quarta-feira (28), dia em que a moeda norte-americana fechou no segundo maior nível desde a criação do real, o BC já havia anunciado a venda de US$ 2,15 bilhões das reservas internacionais do Brasil com compromisso de recomprá-las mais adiante.

Entenda os swaps

Por meio das operações de swap cambial, o Banco Central vende dólares no mercado futuro, mas sem transferir o recurso de fato. Ao fim do contrato, o BC garante ao investidor o pagamento da variação do dólar no período, e o investidor restitui a variação da taxa de juros no período. Se a taxa de juros for superior, o investidor embolsa os rendimentos. Se a moeda subir mais que os juros no período, o BC ganha num primeiro momento, mas troca de rendimentos com os investidores e sai perdendo.

Esse contrato faz com que os investidores diminuam o interesse na compra da moeda norte-americana e com que seu valor frente ao real seja reduzido no mercado de câmbio.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247