BC vai acelerar queima de reservas e coloca em risco a economia brasileira

Sob o comando de Roberto Campos Neto e contrariando a área técnica, o Banco Central vai leiloar US$ 3,845 bilhões das reservas internacionais do Brasil, entre 21 e 29 de agosto; acumuladas em sua maioria pelos governos Lula e Dilma, as reservas somam US$ 388 bilhões e servem de proteção à economia brasileira contra crises cambiais de grandes proporções

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Banco Central adotou nesta quarta-feira, 21, uma mudança na política cambial do País que poderá colocar a economia do Brasil em risco. 

Sob o comando de Roberto Campos Neto e contrariando a área técnica, o Banco Central decidiu vender parte das reservas internacionais do Brasil, atualmente em US$ 388 bilhões, em sua absoluta maioria acumuladas nos governos de Lula e Dilma. 

A autoridade monetária leiloará US$ 550 milhões por dia entre 21 e 29 de agosto, totalizando US$ 3,845 bilhões no período, simultaneamente à oferta de montante equivalente em swaps cambiais reversos, que funcionam como compra de dólares no mercado futuro. 

Economistas defensores da queima das reservas internacionais classificam a medida do Banco Central como "quebra de tabu". Para Luiz Fernando Figueiredo, ex-diretor de política monetária do Banco Central e sócio-fundador da Mauá Capital, o Brasil poderia ter US$ 150 bilhões a menos em reservas. 

"Um volume de um pouco mais de US$ 200 bilhões é bom mas, mais do que isso, é excessivo e o Brasil está carregando a muito tempo", disse ele ao Infomoney.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email