Bolsa brasileira é a que mais caiu no mundo neste ano

Após forte expansão nos últimos anos, Ibovespa recua 42,5% e segue como o pior índice global em dólares em 2020

Bolsa recua
Bolsa recua (Foto: REUTERS/Rahel Patrasso)


✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - A Bolsa brasileira continua apresentando o pior índice global em dólares neste ano, sendo a que mais caiu no mundo: 45,2%. 

Em março deste ano, com a declaração da OMS (Organização Mundial da Saúde) de pandemia de Covid-19, a situação piorou e a Bolsa voltou a níveis de 2017. 

continua após o anúncio

A saída de estrangeiros da Bolsa aumentou, e o Ibovespa passou a ser o índice global com mais perdas em dólar do mundo, de acordo com estudo do Goldman Sachs, informa a jornalista Júlia Moura na Folha de S.Paulo.

A forte queda de 18,7% do índice neste ano somada à forte desvalorização do real levam a Bolsa paulista a cair 42,5% na moeda americana. O Ibovespa teve o pior trimestre da história no início de 2020.

continua após o anúncio

Ainda segundo a reportagem, a Bolsa da Colômbia é a segunda que mais se desvaloriza, com perdas de 40,5% na moeda americana. 

Em seguida vem a Indonésia, com queda de 31,8% na moeda americana. Logo atrás estão Chile, Turquia, México e Rússia. 

continua após o anúncio

Especialistas atribuem a queda da Bolsa aos erros do governo Bolsonaro na área econômica e às brigas internas entre ministros. Na última sexta (2), o ministro Paulo Guedes (Economia) protagonizou mais um desentendimento em Brasília, desta vez com o ministro Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional) sobre o Renda Cidadã. Esse atrito levou a Bolsa a cair 1,5%.

Os economistas também afirmam que a crise ambiental em torno da Amazônia deixou o país mal visto pelos estrangeiros, especialmente europeus, levando-os a deixar o Brasil.

continua após o anúncio

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

continua após o anúncio

Ao vivo na TV 247

Cortes 247