Bolsonaro planeja o fim da multa de 40% do FGTS paga ao trabalhador

Depois da reforma da Previdência, o presidente Jair Bolsonaro prepara mais uma medida contra os direitos dos trabalhadores: o fim da multa de 40% sobre o FGTS; segundo ele, a multa é um peso para os patrões; a proposta é, segundo interlocutores, a ideia preferida do ministro da Economia, Paulo Guedes

www.brasil247.com - O presidente Jair Bolsonaro fala à imprensa após reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes, no ministério.
O presidente Jair Bolsonaro fala à imprensa após reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes, no ministério. (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ABR)


247 - "É quase impossível ser patrão no Brasil”, disse Bolsonaro em entrevista a jornalistas, após um evento organizado pela igreja Sara Nossa Terra. “Precisamos falar a verdade. Falar do trabalhador dá mais voto”, prosseguiu o presidente ao informar sobre os planos do governo de acabar com a multa de 40% sobre o FGTS, paga a trabalhadores em caso de demissão sem justa causa.

"Essa multa de 40% foi quando Dornelles era ministro do Fernando Henrique Cardoso. Aumentou a multa para evitar demissão, ok? O que acontece depois disso? O pessoal não emprega mais por causa da multa", disse Bolsonaro.

Enquanto não apresenta soluções para os mais de 14 milhões e desempregados, Bolsonaro diz que o problema são os direitos trabalhistas que precisam ser flexibilizados 'para estimular a contratação no mercado formal'. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Acha que eu estou feliz com 14 milhões de desempregados? Como é que eu vou empregar alguém e o cara vai falar: sabe a dificuldade? Conhece a CLT? Você paga outro salário. É difícil. E, olha só, na guerra comercial do mundo, temos uma das mãos de obra mais caras que existem. Qual é a nossa tendência? Continuarmos vivendo de commodities. Até quando?", justificou o presidente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com reportagem do jornal O Globo, a proposta de acabar com a multa do FGTS está nos planos do ministro da Economia Paulo Guedes. De acorco com interlocutores, essa a a proposta preferida do ministro que deu o primeiro passo flexibilizando os saques, inclusive de contas ativas, que o governo adiou o anuncio para semana que vem por conta da preocupação de que a liberação de recursos pudesse comprometer o financiamento habitacional. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Lógico que eles têm a preocupação deles. Eu também tenho, é parecida com a deles. Não queremos que o projeto pare, afinal de contas o meu pai foi comprar a primeira casa na vida dele quando eu tinha 35 anos de idade", disse o presidente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email