Bolsonaro e Guedes são inseparáveis, diz Eduardo Moreira

"O plano econômico de Guedes é o mesmo plano político de Bolsonaro, as duas coisas fazem parte de um projeto só. Não existe 'eu sou a favor de Guedes e contra Bolsonaro', porque o que sustenta Guedes é Bolsonaro e o que sustenta Bolsonaro é Guedes", diz ele

Eduardo Moreira e Paulo Guedes
Eduardo Moreira e Paulo Guedes
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik – Criador de hashtag contra Jair Bolsonaro (sem partido), o engenheiro Eduardo Moreira acredita que o presidente deve sofrer impeachment e que seus opositores devem somar forças.

Moreira também é escritor e comunicador. Em uma discussão ao vivo com o ex-senador Roberto Requião, foi criada a hashtag "#Somos70porcento", uma referência à parcela da população brasileira que não considera a gestão de Bolsonaro como excelente ou boa. 

A iniciativa viralizou e recebeu apoio de políticos e celebridades. Com o avanço do coronavírus e a presença frequente do presidente da República em atos com faixas contra o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Poder Judiciário, ela é mais uma das alianças e coalizões que têm se formado.

"O que esse movimento faz é lembrar as pessoas que elas, que são contra esse governo, fazem parte da maioria, não é um movimento que tem uma lista, que tem rosto de pessoas famosas, um movimento que você tem que ser aceito ou não, é um movimento que te lembra que se você é contra esse governo, você faz parte da maioria", diz Moreira à Sputnik Brasil. 

Segundo pesquisa Datafolha divulgada em 28 de maio, a reprovação popular de Bolsonaro bateu recorde e está em 43%. Os que consideram o governo como regular são 22%, enquanto os que o consideram ótimo ou bom são 33%. Outras pesquisas de opinião também indicam que posições do Governo Federal, como o armamento da população e a aproximação com o centrão, são medidas impopulares. 

O engenheiro avalia que é necessário fazer o impeachment de Bolsonaro e que, durante o processo de afastamento, é possível criar uma mobilização para diminuir o apoio ao presidente. Para ele, muitos eleitores votaram no ex-capitão do Exército porque acreditaram que Paulo Guedes seria uma solução para o "jeito autoritário" de Bolsonaro.

"Existe uma confusão de muitas pessoas da pauta econômica com a pauta autoritária de Bolsonaro. Essas pessoas achavam que eram pautas separadas, por isso eu digo confusão, porque não eram pautas separadas. O plano econômico de Guedes é o mesmo plano político de Bolsonaro, as duas coisas fazem parte de um projeto só. Não existe 'eu sou a favor de Guedes e contra Bolsonaro', porque o que sustenta Guedes é Bolsonaro e o que sustenta Bolsonaro é Guedes", diz Moreira.

Ainda de acordo com Moreira, os eleitores arrependidos agora veem que Guedes não trouxe resultados econômicos e que a sociedade brasileira continua profundamente desigual. "Eles [eleitores] viram que o que tomou conta do Brasil foi um governo de perversos e que está governando para um grupo de 0,01% das pessoas, fazendo o Brasil retroceder séculos em questão de anos", afirma.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247