Bovespa abre em alta com rede de segurança dos BCs

As bolsas asiticas subiram, as da Europa operam em alta e a Bovespa apresentava valorizao de 1% h pouco

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Bovespa abriu em alta ainda estimulada com a união dos mais poderosos Bancos Centrais do planeta para estender uma rede de segurança financeira para evitar a quebra alguma banco europeu. Portanto, o risco existe e é real. Os investidores, por enquanto, preferem ficar na ponta da comemoração, voltando a comprar ações. As bolsas asiáticas subiram, as da Europa operam em alta e a Bovespa apresentava valorização de 1% há pouco. O dia promete ser positivo, principalmente com a reunião dos ministros de finanças da zona do euro, na Polônia, que terá a participação do secretário do Tesouro americano, Timothy Gheitner, que defende uma trabalho conjunto para tirar os países desenvolvidos da crise. No Brasil, que está fora do centro da crise, o mercado melhor conforme as coisas avancem por lá.

PRÉ-ABERTURA - O mercado global não tem lugar para esperança. É o que se conclui do seu comportamento cético e desesperançado. Apenas um dia depois do anúncio de uma medida forte, como a da união de cinco dos mais poderosos Bancos Centrais do planeta em defesa da liquidez do sistema financeiro europeu, os analistas dizem que seus efeitos serão positivos apenas no curto prazo.

O que significa isso? A principal das conclusões é que o mercado vai continuar instável, volátil, altamente arriscado. Portanto, prejuízos serão inerentes. As bolsas de valores são o principal centro de negociação do nervosismo mundial. Um lugar que reage a cada movimento das autoridades. O grande temor é com a ameaça de quebra de um grande banco europeu.

Essa é uma realidade cada vez mais palpável. A própria decisão dos BCs é um indicativo de que existe a percepção de que a crise da dívida soberana dos países da zona do euro ameaça diretamente os seus credores, ou seja, os bancos. No caso da dívida grega, estão na berlinda bancos franceses, dois deles já rebaixados, e os alemães.

Ontem, o governo alemão admitiu que há risco para os bancos alemães se o acordo de renegociação da dívida grega não tiver sequência, com a liberação de dinheiro para salvar as contas da Grécia.

Hoje, as bolsas asiáticas fecharam em ritmo positivo, mas sem convencer. Foi mais um movimento a reboque do dia positivo, ontem, em Nova York e Europa. Tóquio subiu 2,3%, Hong Kong avançou 1,4% e Seul fechou em alta de 3,7%. As bolsas europeias abriram e funcionam em terreno positivo. Há pouco, Londres subia 1%, Frankfurt ganhava 1,4% e Paris mantinha-se em terreno positivo de meio por cento.

No Brasil, a grande informação para o mercado é a decisão do governo de taxar os carros importados. A elevação da alíquota de importação deverá aumentar a venda de carros nacionais, beneficiando diretamente os fornecedores de autopeças. É bom ficar de olho nas oportunidades.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247