Brasil cria 101,4 mil novos empregos em agosto

País gerou 101.425 postos de trabalho com carteira assinada no mês passado; destaque ficou para o setor de serviços, que criou 71,3 mil vagas no período, seguido por comércio, responsável por 40,6 mil empregos; de janeiro a agosto, o número de empregos formais criados no País foi de 751,5 mil; dados foram divulgados hoje pelo Ministério do Trabalho e Emprego e fazem parte do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregado); segundo Dilma, dados mostram que o número de postos de trabalho está aumentando no Brasil, apesar de "uma crise de emprego no mundo"

www.brasil247.com - País gerou 101.425 postos de trabalho com carteira assinada no mês passado; destaque ficou para o setor de serviços, que criou 71,3 mil vagas no período, seguido por comércio, responsável por 40,6 mil empregos; de janeiro a agosto, o número de empregos formais criados no País foi de 751,5 mil; dados foram divulgados hoje pelo Ministério do Trabalho e Emprego e fazem parte do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregado); segundo Dilma, dados mostram que o número de postos de trabalho está aumentando no Brasil, apesar de "uma crise de emprego no mundo"
País gerou 101.425 postos de trabalho com carteira assinada no mês passado; destaque ficou para o setor de serviços, que criou 71,3 mil vagas no período, seguido por comércio, responsável por 40,6 mil empregos; de janeiro a agosto, o número de empregos formais criados no País foi de 751,5 mil; dados foram divulgados hoje pelo Ministério do Trabalho e Emprego e fazem parte do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregado); segundo Dilma, dados mostram que o número de postos de trabalho está aumentando no Brasil, apesar de "uma crise de emprego no mundo" (Foto: Gisele Federicce)


247 – O Brasil criou em agosto 101.425 vagas formais de emprego, anunciou o Ministério do Trabalho e Emprego na tarde desta quinta-feira 11. De janeiro a agosto, o número de empregos formais foi de 751,5 mil.

O destaque ficou para o setor de serviços, que criou 71,3 mil postos de trabalho no período. O setor de comércio, responsável por 40,6 mil empregos com carteira assinada no mês, ficou em segundo lugar.

Os dados fazem parte do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregado) e foram divulgados na tarde desta quinta-feira 11 pelo Ministério do Trabalho e Emprego.

Em julho, haviam sido criados 11.796 postos com carteira assinada, sem ajustes. O resultado de agosto é 21,5% inferior ao do mesmo período do ano passado, quando o país criou 127,6 mil postos de trabalho.

Emprego é uma das principais armas da campanha da presidente Dilma, que vem alertando sobre o risco de redução na criação de vagas com a proposta de autonomia do Banco Central.

Leia abaixo declaração da presidente sobre os números:

Dilma diz que Caged de agosto mostra alta do emprego apesar de crise

BRASÍLIA (Reuters) - A presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, disse que os dados sobre geração de emprego divulgados nesta quinta-feira mostram que o número de postos de trabalho está aumentando no Brasil, apesar do que chamou de "uma crise de emprego no mundo".

A presidente disse a jornalistas que, embora esteja "extremamente satisfeita com os dados de agosto do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), gostaria que o número fosse muito maior.

Segundo dados do Caged, o Brasil abriu 101.425 vagas formais de trabalho no mês passado, no mais baixo resultado para agosto desde 2012 influenciado pela continuidade das demissões líquidas na indústria e pela menor oferta de vagas em quase todos os setores produtivos. [nL1N0RC20I]

O número, no entanto, foi melhor do que o fraco resultado de julho, quando foram abertos 11.796 postos, sem ajustes, num mês de baixa base de comparação afetado pela retração dos negócios em decorrência da Copa do Mundo.

De acordo com a presidente, a redução da atividade da indústria "não é um fenômeno brasileiro". Dilma também se declarou "bastante otimista" com a capacidade de retomada da economia brasileira.

(Reportagem de Jeferson Ribeiro)

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247