Câmara aprova MP 777, que pode ser o começo do fim do BNDES

Medida substitui a TJLP pela TLP, que aproxima o custo do financiamento do banco de fomento do juro de mercado, o que "atinge diretamente o papel estratégico do BNDES", diz deputado Enio Verri; leia reportagem de Eduardo Maretti, da Rede Brasil Atual

Data: 11/08/2011 Editoria: Novo Portal Valor Reporter: Mariane Goldberg Local: Rio de Janeiro, RJ Pauta: Fotos para o Novo Portal Valor - Novo Site Setor: Finaceiro Personagem: Predio do BNDES na Avenida Chile, 100 Tags: Banco Nacional de Desenv
Data: 11/08/2011 Editoria: Novo Portal Valor Reporter: Mariane Goldberg Local: Rio de Janeiro, RJ Pauta: Fotos para o Novo Portal Valor - Novo Site Setor: Finaceiro Personagem: Predio do BNDES na Avenida Chile, 100 Tags: Banco Nacional de Desenv (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Eduardo Maretti, da Rede Brasil Atual

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou, no início da tarde de hoje (24), a Medida Provisória 777/2017, que cria a Taxa de Longo Prazo (TLP) para ocupar o lugar da Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) nos financiamentos concedidos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).  A votação foi simbólica e não houve o registro de votos no painel.

Para os deputados da oposição, a medida pode significar o começo do fim do próprio BNDES. A MP determina que a nova TLP se aproximará das taxas do mercado, encarecendo o financiamento de longo prazo para indústrias, máquinas, equipamentos e infraestrutura, para cooperativas e quem quer que utilize créditos do BNDES.

A votação desta quinta-feira deixou pendente a definição sobre destaques que serão votados na terça-feira (29), mas manteve a essência do texto sobre a política de aproximar os juros praticados pelo BNDES, via TLP, aos do mercado financeiro, esvaziando o papel do BNDES. A votação dos destaques não vai mudar nenhum dispositivo relevante da MP, já que a bancada do presidente Michel Temer tem ampla maioria e a oposição vai se restringir a obstruir, como na votação do texto-base.

O relator da MP é o deputado Betinho Gomes (PSDB-PE), que manteve os pontos mais importantes. De acordo com o texto, a TLP será aplicada nos empréstimos a partir de 1º de janeiro de 2018 e substituirá a TJLP gradativamente.

“A medida atinge diretamente o papel estratégico do BNDES, que deixa de cumprir o seu papel de instrumento de fomento da política industrial brasileira. Como a taxa de juros vai ser semelhante à do mercado, os bancos privados também vão atuar, e portanto não precisaria ter o BNDES”, disse o deputado Enio Verri (PT-PR) à RBA. Os interesses contemplados são os do mercado.

"Caixa preta"

No mesmo sentido, a deputada Luciana Santos (PCdoB-PE) afirmou, no plenário, que a MP 777 "compromete até a existência do BNDES". Ao defender o voto contrário de seu partido, o deputado Chico Alencar (Psol-RJ) disse que “a MP é de desidratação e destruição do próprio BNDES”. “A TJLP, que se pretende extinguir, é definida pelo Conselho Monetário Nacional, do qual participa inclusive o Ministério do Planejamento, numa perspectiva, em tese, do desenvolvimento nacional. Já a taxa Selic, que vai engolir essa TLP que está se propondo, é definida pela caixa preta do Copom e do Banco Central, rigorosamente subordinada ao capital financeiro”, afirmou Alencar.

Ontem (23), o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, defendeu a medida dizendo que ela vai “diminuir o custo do crédito para todos e não apenas para os devedores do BNDES”. O governo afirma que a TLP é importante para o “equilíbrio fiscal”. No Twitter, o ministro disse que “a TLP vai ajudar a reduzir as taxas de juros, aumentando a eficiência da política monetária no controle da inflação”. Disse ainda que “os subsídios do crédito passam a constar no orçamento, com maior transparência e equidade na definição de políticas públicas”.

Enio Verri acusa o que chama de “contradição” na defesa da MP por parte de vários parlamentares. “Na Câmara, aqueles que tanto defendiam o fim da TJLP são os mesmos que usufruem de políticas vantajosas para o agronegócio. Ora, se o agronegócio é subsidiado, por que a política industrial também não pode ser?”, questiona. “Sou contra que haja uma taxa de juros de mercado no agronegócio, como sou contra para a indústria. O incentivo é necessário para o crescimento.”

Ele ressalta que a indústria motiva o desenvolvimento “para trás, atingindo a agricultura, e para a frente, chegando ao comércio”. “O efeito multiplicador do desenvolvimento da indústria é maior do que da agricultura. É um pecado contra o desenvolvimento do país o que estão fazendo com o BNDES.” A Associação dos Funcionários do BNDES fez campanha contra a MP, que “pune o investimento de longo prazo no Brasil”.

O texto segue agora ao Senado, onde deve também ser aprovado. Na votação da comissão mista (reunindo deputados e senadores) da medida provisória, ontem (23), "quem fez a briga para passar na marra foram os senadores, com destaque para Romero Jucá”, afirma Verri.

 
 
 
 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247