Com aviões no chão e quarentena global, petróleo cai abaixo de zero pela primeira vez na história

Preços negativos podem afetar duramente a Petrobrás e a produção no pré-sal, assim como os municípios e estados que recebem royalties do petróleo

www.brasil247.com - Barris de petróleo
Barris de petróleo (Foto: Reuters)


Por Anderson Figo, do Infomoney - O contrato do barril de petróleo americano WTI para maio, que vence nesta terça-feira (21), recua mais de 100% e é negociado a um preço negativo.

Segundo analistas, o movimento reflete a percepção do mercado de que o corte de 9,7 milhões de barris diários anunciados semana passada pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) não será suficiente para fazer frente à queda na demanda global por conta dos impactos econômicos do coronavírus, de cerca de 30%.

“O preço negativo mostra que os produtores estão dispostos a pagar para ter seu petróleo estocado, num momento em que há uma grande oferta e uma demanda baixa”, explica Gabriel Fonseca, analista da XP Investimentos especializado em petróleo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A Administração de Informações sobre Energia dos Estados Unidos informou que as reservas de petróleo subiram 19,25 milhões de barris na semana passada.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assim, como o vencimento do contrato de barril de WTI para entrega em maio termina amanhã, aqueles investidores que o assinaram têm de encontrar compradores físicos — uma tarefa quase impossível no atual cenário se não abaixarem os preços.

Os operadores de contratos futuros geralmente conseguem passar com tranquilidade do contrato vencido para o próximo, mas dessa vez estão encontrando poucos compradores dispostos a receber os barris do vencimento maio.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A corrida para se desfazer dos papéis a qualquer custo gerou o crash no preço observado hoje. Às 15h32 (de Brasília), o contrato WTI para maio caía 162,51%, para US$ 11,42 negativos.

Já o contrato para junho tinha queda de 15,98%, para US$ 21,03. Enquanto o contrato mais negociado do petróleo tipo Brent, que opera em Londres e tem vencimento em junho, recuava 8,83%, para US$ 25,60.

Segundo Gabriel Fonseca, é importante ressaltar a diferença entre o horizonte dos contratos futuros. Para se planejar, as empresas costumam mirar a curva mais longa do petróleo, para seis, doze ou dezoito meses. Nesses prazos, espera-se que a situação do mercado de petróleo esteja estabilizada.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“A lei da oferta e da demanda deveria agir e levar produtores a fecharem poços, de modo a reduzir a oferta, o que equilibraria os preços”, diz o analista. “É importante notar que a negociação dos contratos de junho do Brent e do WTI está normal. Não há a disfunção do contrato mais curto”, o que indica que os investidores acreditam que a situação vai voltar a normal.

Inscreva-se na TV 247 e assista transmissão com o presidente da Aepet, Felipe Coutinho, sobre o tema:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email