Com Bolsonaro, despenca a confiança dos empresários alemães sobre rumos econômico e político do Brasil

Pesquisa realizada pela Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha aponta que a confiança dos empresários alemães no ambiente de negócios do Brasil despencou nos oitos primeiros meses do governo Jair Bolsonaro. Segundo o levantamento, o índice dos que acham que a economia brasileira não deve crescer este ano passou de 5% para 26%. Pesquisa também aponta que em janeiro 74% dos empresários alemães acreditavam que o cenário político iria melhorar com a chegada de Bolsonaro ao poder, mas este índice agora é de apenas 31%

Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Pesquisa realizada pela Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha aponta que a confiança dos empresários alemães no ambiente de negócios do Brasil despencou nos oitos primeiros meses do governo Jair Bolsonaro. Segundo o levantamento, que ouviu cerca de 1,2 mil empresários durante o Encontro Econômico Brasil-Alemanha, realizado esta semana em Natal, o índice dos que acham que a economia brasileira não deve crescer este ano passou de 5% para 26%. 

Já os que acreditam que a economia brasileira apresentará algum crescimento ao longo de 2019 caiu de 84% para 61% nos últimos oito meses. O levantamento também aponta que em janeiro 74% dos empresários alemães acreditavam que o cenário político iria melhorar com a chegada de Bolsonaro ao poder, mas este índice agora é de apenas 31%.  Em setembro, 42% dos empresários ouvidos acham que situação política do país está se deteriorando. 

“Ainda temos muito investimento freado no Brasil porque as condições do ambiente econômico ainda não são aquilo que as empresas consideram como o ideal”, disse o vice-presidente da Câmara Brasil-Alemanha, Thomas Timm, ao jornal Folha de S. Paulo

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247