Com estado brasileiro falido, Maia quer trazer de volta a campanha Xô, CPMF

"Eu estou pensando em trazer de volta a campanha que o DEM fez 'Xô, CPMF'. Ninguém aguenta mais impostos no Brasil", disse o presidente da Câmara

Rodrigo Maia
Rodrigo Maia (Foto: Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik – O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta sexta-feira (17) que considera "justa" a criação de um imposto sobre transações eletrônicas, nos moldes da antiga CPMF. 

De acordo com Mourão, a tarifa poderia ajudar a financiar o programa Renda Brasil, que o governo pretende lançar para substituir o Bolsa Família. 

A possibilidade da criação do imposto voltou à discussão após o ministro da Economia, Paulo Guedes, sugerir a criação de espécie de nova CPMF.

Na quinta-feira (16), ele disse que o governo pode incluir uma tarifa de 0,2% sobre transações eletrônicas na reforma tributária, que deve ser enviada ao Congresso na semana que vem. 

Segundo Guedes, com o imposto seria possível reduzir cobranças sobre a folha de pagamentos. 

Em entrevista para a Rádio Gaúcha, Mourão disse que, com a desoneração, "haveria uma oportunidade muito maior da criação de empregos formais", mas ressaltou que a decisão cabe ao Legislativo. Para ele, é preciso deixar claro as vantagens que o tributo traria. 

'Não criar imposto por criar'

"Eu acho que tem que ficar muito claro e não simplesmente criar um imposto por criar um imposto. Vejo que hoje a discussão está centrada em cima da desoneração. Então eu acho justo”, disse.

Mourão afirmou ainda que existem "uma série de transações eletrônicas que são feitas e não pagam tributos", e por isso poderiam ser cobradas. "Vamos lembrar que o nosso sistema tributário atual tem uma evasão, sonegação, de mais de R$ 400 bilhões. Isso é muito dinheiro", acrescentou o vice-presidente.

Por outro lado, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), anunciou na quinta-feira, em entrevista para a GloboNews, que pretende recriar a campanha "Xô, CPMF". 

'Ninguém aguenta mais impostos'

A Contribuição Provisória de Movimentação Financeira (CPMF) foi cobrada de 1997 a 2007, ano em que foi lançada a campanha contra o imposto e o tributo foi derrubado pelo Congresso. 

"Eu estou pensando em trazer de volta a campanha que o DEM fez 'Xô, CPMF'. Ninguém aguenta mais impostos no Brasil. Vamos cuidar da simplificação dos impostos, cortar distorções como o lucro presumido, entre outros. Agora, novos impostos, eu acho que a sociedade está cansada. E, certamente, vai ter muita dificuldade de passar na Câmara dos Deputados", afirmou Maia.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247