Comunidades indígenas lançam criptomoeda para se recuperarem do impacto da pandemia

OYX, criptomoeda mundial indígena transcultural, idealizada por comunidades de Rondônia e de Mato Grosso para enfrentar as dificuldades financeiras agravadas pela pandemia da Covid-19, foi criada pelos povos Suruí Paiter e os Cinta Larga

www.brasil247.com -
(Foto: Thiago Gomes / Fotos Públicas)


Sputnik - Foi lançada na quarta-feira (11) a OYX, uma criptomoeda mundial indígena transcultural, idealizada por comunidades de Rondônia e de Mato Grosso para enfrentar as dificuldades financeiras agravadas pela pandemia da COVID-19.

A criptomoeda foi idealizada por dois povos indígenas que eram historicamente rivais: os Suruí Paiter e os Cinta Larga.

Em entrevista à Sputnik Brasil, Adriana Siliprandi, porta-voz da criptomoeda OYX, explicou que foi procurada por Elias Oyxabaten Suruí, do povo Suruí Paiter, para viabilizar a ideia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Nós começamos a trabalhar e montamos a empresa chamada Oyxabaten que vai fazer a administração dessa moeda", explicou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As criptomoedas são moedas virtuais, armazenadas em carteiras digitais, que podem estar on-line instaladas em computadores ou celulares.

Segundo Adriana Siliprandi, o objetivo da OYX é gerar recursos que auxiliem esses povos indígenas a se recuperarem dos impactos econômicos gerados pela pandemia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Para que sejam arrecadados fundos para dar a dignidade aos indígenas que estão sofrendo bastante com a pandemia, sem saneamento básico, sem condições de subsistência e também que sirva como uma moeda de troca entre eles e de compra dos produtos que eles fabricam", contou.

Juntas, a comunidade dos Suruí Paiter e dos Cinta Larga somam cerca de quatro mil pessoas.

Adriana Siliprandi explicou que a ideia não é que a OYX seja uma criptomoeda especulativa, como os bitcoins.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"A OYX não é um investimento, ela é um meio de troca e também um meio de captar recursos para subsistência dos próprios indígenas", explicou.

Serão emitidas inicialmente 100 milhões de OYX, com valor de R$ 10 a unidade. Segundo Adriana Siliprandi a ideia é que as criptomoedas sejam utilizadas em um primeiro momento como meio de troca entre as comunidades.

"Nós passaremos a utilizá-la como meio de trocas entre as comunidades e também com pessoas que compraram essa moeda neste primeiro momento, para ajudar a comunidade, possam trocá-las no futuro por produtos que a própria comunidade vai desenvolver", completou.

Segundo a plataforma do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) contabilizou, até o dia 6 de novembro, 32.746 casos de COVID-19 entre os indígenas brasileiros, com 478 óbitos causados pela doença.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email