Construção continua em queda na "retomada de Temer"

O volume contratado de financiamento imobiliário com recursos da caderneta de poupança somou R$ 39,5 bilhões em 2017 até novembro, o que representa queda de 4,3% em relação ao mesmo período do ano passado; em novembro, os financiamentos do setor somaram 3,15 bilhões de reais, recuando 20,9 por cento ante igual mês do ano passado e 14,7 por cento contra outubro; foi também o mês mais fraco desde os 3,13 bilhões de reais apurados em abril

Brasília - O presidente em exercício, Michel Temer, recebe em cerimônia no Palácio do Planalto, cartas credenciais de seis embaixadores. (José Cruz/Agência Brasil)
Brasília - O presidente em exercício, Michel Temer, recebe em cerimônia no Palácio do Planalto, cartas credenciais de seis embaixadores. (José Cruz/Agência Brasil) (Foto: Romulo Faro)

SÃO PAULO (Reuters) - O volume contratado de financiamento imobiliário com recursos da caderneta de poupança somou 39,5 bilhões de reais em 2017 até novembro, o que representa uma queda de 4,3 por cento em relação ao mesmo período do ano passado, informou a Abecip.

Em novembro, os financiamentos do setor somaram 3,15 bilhões de reais, recuando 20,9 por cento ante igual mês do ano passado e 14,7 por cento contra outubro. Foi também o mês mais fraco desde os 3,13 bilhões de reais apurados em abril.

Em unidades imobiliárias financiadas, o levantamento apontou queda de 10,1 por cento nos primeiros onze meses de 2017, a 161 mil imóveis. Em novembro, foram 13,5 mil unidades, recuo de 10,9 por cento contra um ano antes.

Ainda segundo a Abecip, que representa as financiadoras de compra e construção de imóveis, a Caixa Econômica Federal manteve a liderança nas concessões, com 40,4 por cento do volume de empréstimos, seguida por Itaú Unibanco (18,5 por cento), Bradesco (18,2 por cento), Santander Brasil (13,8 por cento) e Banco do Brasil (5,9 por cento).

Por Aluisio Alves

Conheça a TV 247

Mais de Economia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247