CSN perde R$ 1 bi no trimestre

Prejuízo da empresa de Benjamin Steinbruch foi o primeiro em três anos, causado pelo aumento dos custos industriais

CSN perde R$ 1 bi no trimestre
CSN perde R$ 1 bi no trimestre (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/AGÊNCIA BRASIL)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

SÃO PAULO, 14 Ago (Reuters) - A siderúrgica brasileira CSN registrou seu primeiro prejuízo trimestral em pelo menos três anos nesta terça-feira, após uma baixa contábil no valor de seu investimento na concorrente Usiminas amplificar o impacto do declínio de receitas e um aumento em gastos.

A segunda maior produtora de produtos planos de aço do Brasil perdeu 1,048 bilhão de reais no trimestre, comparado a lucro de 1,137 bilhão de reais no mesmo período no ano anterior, informou a companhia nesta terça-feira. A CSN lucrou 110,7 milhões de reais no primeiro trimestre.

Oito analistas projetaram que a CSN teria lucro trimestral, enquanto dois previram um prejuízo em uma recente pesquisa da Reuters. A média das duas estimativas pessimistas foi de um prejuízo líquido de 721,5 milhões de reais.

A CSN decidiu reduzir o valor de seu investimento de 1,6 bilhão de dólares na Usiminas após as ações ordinárias e preferenciais da siderúrgica em dificuldades despencarem 47 por cento e 20 por cento neste ano, respectivamente. O presidente-executivo da CSN, Benjamin Steinbruch, começou a comprar papéis da Usiminas de investidores no início do ano passado numa tentativa mal-sucedida de conseguir um assento no conselho daquela empresa.

Como parte desses esforços, a CSN registrou uma perda de investimento no valor de 2,283 bilhões de reais na categoria de "outras despesas", informou em comunicado. Um ano antes, o item rendeu um superávit de 604,65 milhões de reais.

A perda não foi completamente inesperada. O analista Ivano Westin, do Crédit Suisse Group, previu que o valor poderia alcançar até 2 bilhões de reais caso a CSN decidisse fazer perda contábil no valor total de sua participação na Usiminas.

As margens operacionais em seus principais segmentos de negócios continuaram estáveis, as despesas de vendas subiram após a produção crescer levemente e a dívida líquida disparar 38 por cento, em base anual. A receita de sua unidade de mineração, a mais lucrativa da CSN, atingiu o menor nível em três trimestres.

O Ebtida (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação) recuou 37 por cento para 1,120 bilhão de reais ante o mesmo período no ano anterior, e ficou quase estável em relação ao primeiro trimestre por conta do aumento sequencial da receita. O Ebitda ficou aquém das projeções de analistas, de 1,267 bilhão de reais.

Os custos saltaram 20 por cento numa base anual, informou a companhia.

Resultados de grandes siderúrgicas reafirmaram a visão de analistas de que siderúrgicas brasileiras, enfrentando sua pior crise em anos, estão em vias de uma recuperação bastante gradual. Dados melhores do que o esperado relativos à gigante Gerdau e à Usiminas ajudaram a reverter quedas em suas ações, embora seja difícil sustentar esses ganhos.

(Reportagem de Guillermo Parra-Bernal e Bruno Federowski)

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email