CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Economia

CUT: reajuste de Temer não beneficia maioria dos servidores públicos

Secretário de Finanças da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef) e secretário-adjunto de Relações de Trabalho da CUT, Pedro Armengol, explica que os projetos de lei de reajustes aos servidores públicos já haviam sido negociados pelo governo da presidente Dilma Rousseff; ele diz ainda que a medida de Temer não tem nenhum benefício para a categoria; "A maioria não teve nenhuma recomposição das perdas inflacionárias que foram atingidos principalmente por esses cinco projetos que atinge um milhão de servidores. Esse aumento dos ministros de 16% não tem nada a ver com a maioria absoluta dos servidores", afirmou

Secretário de Finanças da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef) e secretário-adjunto de Relações de Trabalho da CUT, Pedro Armengol, explica que os projetos de lei de reajustes aos servidores públicos já haviam sido negociados pelo governo da presidente Dilma Rousseff; ele diz ainda que a medida de Temer não tem nenhum benefício para a categoria; "A maioria não teve nenhuma recomposição das perdas inflacionárias que foram atingidos principalmente por esses cinco projetos que atinge um milhão de servidores. Esse aumento dos ministros de 16% não tem nada a ver com a maioria absoluta dos servidores", afirmou (Foto: Aquiles Lins)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Do Portal da CUT - O governo ilegítimo de Michel Temer aprovou na última quinta-feira (1º) os Projetos de Lei (PL's) que trazem reajustes abaixo da inflação para a maioria dos servidores do Executivo. Entretanto, o que não ficou claro e nem foi divulgado na grande imprensa, é que a maioria desses projetos foi um acordo firmado entre servidores e o governo da presidenta Dilma Rousseff, em agosto de 2015.

Os projetos estavam desde o ano passado à espera de aprovação na Câmara dos Deputados, e só não foram votados por conta do agravamento da crise política liderada pela oposição e pelo ex-presidente da casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Isso significa que os PL's seguem para votação sem a necessidade de passar pelas comissões.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O secretário de Finanças da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef) e secretário-adjunto de Relações de Trabalho da CUT, Pedro Armengol, explica que, para agradar ministros e juízes, o presidente ilegítimo colocou no pacote esta demanda que já estava "equacionada" com a presidenta Dilma.

"Pegaram essa demanda que estava resolvida, que era um acordo com a maioria dos servidores do poder Executivo, inclusive o governo já tinha encaminhado e que não foi aprovado na Câmara por conta da crise política. Não houve nenhuma orientação do governo da presidenta Dilma para não aprovar esses projetos. Não teve essa orientação. Os projetos estavam lá, o governo não retirou", afirma.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

De modo geral, para a maioria do Executivo, os acordos preveem reajuste de 10,8% dividido em dois anos (ago/2016 e jan/2017) e mudanças na regra da média da gratificação para fins de aposentadoria que serão escalonadas em três etapas entre 2017 e 2019. Todos estão previstos em orçamento e seguem agora para o Senado onde a Condsef vai acompanhar aprovação.

De acordo com o dirigente, essa medida de Temer não tem nenhum benefício para a categoria. "A maioria não teve nenhuma recomposição das perdas inflacionárias que foram atingidos principalmente por esses cinco projetos que atinge um milhão de servidores. Esse aumento dos ministros de 16% não tem nada a ver com a maioria absoluta dos servidores".

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Armengol afirma ainda que não se pode generalizar e colocar nesse pacote todo o judiciário."Temos que registrar os servidores do judiciário, exceto juízes e ministros, estavam há oito anos sem recomposição inflacionária. Então, não podemos "crucificar" como estão fazendo com os servidores do Judiciário. ​

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO