De fraco a forte, Mantega passa a depender de resultados

Ministro da Fazenda se fortaleceu quando a revista The Economist pediu a sua cabeça; mas a marola midiática já passou e o PIB tem de crescer

De fraco a forte, Mantega passa a depender de resultados
De fraco a forte, Mantega passa a depender de resultados (Foto: Sérgio Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Quando parecia mais fraco, atordoado pelo efeito do 'pibinho' do terceiro trimestre, o ministro Guido Mantega passou a ser o ministro mais forte do governo – e ele nem precisou fazer nada para chegar a esse ponto. É à revista inglesa The Economist a quem ele deve agradecer. Sem meias palavras, a publicação cravou que, se estivesse interessada em sua próprioa reeleição, a presidente Dilma Rousseff teria como único caminho demitir Mantega imediatamente. Foi o bastante para um pronunciamento direto da presidente, que afirmou que não seria uma revista estrangeira que diria a ela o que fazer.

Mantega continuar a estar, portanto, ministro da Fazenda no acender das luzes de 2013. Mas, passada a marola midiática, precisa, mais do que nunca, mostrar resultados. E não apenas. Há, de diferentes setores, cobranças por uma mudança de postura. Menos otimismo encantador e mais realismo norteador. O próprio Mantega lembrou que poderia se tornar o único ministro no mundo a cair por ser otimista – mas quando há superavaliação de resultados e minimização de problemas, isso soa mais como enrolação.

Outra crítica é à hiperatividade do governo, que vem baixando medidas em série, praticamente, todas as semanas. O natural relaxamento da virada do ano pode fazer ao ministro e sua equipe. Talvez prevaleça a avaliação de que o momento é mais para aguardar o resultado do que, ainda esta vez, provocá-lo.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email