Deputado neoliberal do Partido Novo quer acabar 13º salário

Em mais uma ação legislativa que massacra os trabalhadores, sob o argumento de que o 13º salário "onera demais os empregadores”, um deputado neoliberal, Lucas Gonzalez, do Novo de Minas Gerais, apresenta projeto para extinguir esse antigo direito do povo brasileiro

Dep. Lucas Gonzalez (NOVO-MG)
Dep. Lucas Gonzalez (NOVO-MG) (Foto: Vinicius Loures/Câmara dos Deputados)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O deputado federal Lucas Gonzalez (Novo-MG) apresentou o projeto de lei (PL 5.337/19) que na prática extingue o 13º salário.  

O projeto permite que o empregador, mediante acordo formal com o empregado, parcele o 13° salário em até 12 prestações. 

O argumento do deputado mineiro deixa à mostra o caráter patronal da sua iniciativa. Segundo ele, o pagamento do 13º salário em 2 prestações, como prevê a legislação atual, “onera em demasia o empregador”.  

Entidades sindicais e o Diap, consideram que a proposta, se aprovada, vai extinguir o 13º, cujo objetivo é remunerar o trabalhador em dois momentos específicos do ano: o período de férias escolares e, principalmente, o de festas natalinas e também de férias.   

O 13º salário é uma conquista dos trabalhadores desde 1943, como direito inscrito na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).  

Além de liquidar um direito, o projeto do deputado do Novo prejudica a economia nacional. Prevê-se que o pagamento do benefício vai injetar 214 bilhões de reais na economia neste ano, o que equivale a 3% do PIB.  

As informações são da Revista Fórum

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247