Deputados europeus descartam acordo com o Mercosul antes do fim do governo Bolsonaro

Parlamentares da Alemanha exigem anexo com compromissos do governo brasileiro na área ambiental, que nem começaram a ser negociados

União Europeia quer fechar acordo com Mercosul antes da posse de Bolsonaro
União Europeia quer fechar acordo com Mercosul antes da posse de Bolsonaro (Foto: União Europeia queria fechar acordo com Mercosul antes da posse de Bolsonaro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Integrantes do governo de Angela Merkel, da Alemanha, não acreditam que o acordo entre União Européia e Mercosul seja assinado no governo Bolsonaro.

Reportagem de Patrícia Campos Mello reproduz declaração de autoridades daquele país e de integrantes do Parlamento Europeu

O acordo está paralisado à espera de um anexo de compromissos ambientais adicionais que nem começou a ser negociado.

A parte comercial do acordo de associação entre ambos foi assinada em junho de 2019, após 20 anos de negociação. Atualmente, o acordo está em revisão jurídica e, em alguns meses, começaria a ser traduzido para as 23 línguas oficiais do bloco europeu. 

Depois, iria para ratificação no Conselho Europeu, depois para o Parlamento Europeu e, dependendo do formato, também para os Parlamentos nacionais de cada país da UE e do Mercosul.

No entanto, em outubro do ano passado, a maioria dos parlamentares europeus aprovou um texto afirmando que, do jeito que está, o acordo não será ratificado e que são necessários compromissos ambientais adicionais.

“Até hoje a UE não começou a negociar esse anexo, eles não sabem nem que compromissos ambientais vão pedir”, disse à Folha o eurodeputado espanhol Jordi Cañas, relator do acordo no Parlamento Europeu.

O novo chanceler brasileiro, Carlos Alberto França, afirmou em audiência na Câmara, na quarta-feira (28), que, “com otimismo, podemos terminar o processo [do acordo com a UE] até o fim do ano que vem.”

A projeção do chanceler é vista com ceticismo. Cañas, a deputada alemã Anna Cavazzini, dos Verdes, o deputado alemão Sven Simon, do CDU (União Democrata-Cristã, partido da chanceler Angela Merkel), e integrantes do governo acham que é muito improvável o acordo ser ratificado ainda no governo Bolsonaro.

“Vai demorar para melhorar o acordo, a comissão sabe que não vai poder voltar de mãos vazias, precisa de algo significativo [de compromissos adicionais]”, diz Cavazzini, vice-presidente da delegação do Parlamento Europeu para assuntos relacionados ao Brasil.


O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email