Desastre Bolsonaro: Maior rede de produtos naturais da Suécia suspende compra de produtos brasileiros

O empresário sueco Johannes Cullberg decidiu banir produtos agrícolas do Brasil das prateleiras dos seus supermercados, após tomar conhecimento da liberação de 197 agrotóxicos pelo governo Bolsonaro. Agora, quando os anúncios de queimadas na Amazônia ganharam o noticiário internacional, o boicote ganhou ainda mais força

Rede de supermercados Paradiset
Rede de supermercados Paradiset (Foto: Dvulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Há cerca de três meses, após tomar conhecimento da liberação de 197 agrotóxicos pelo governo Bolsonaro, o empresário sueco Johannes Cullberg decidiu banir produtos agrícolas do Brasil das prateleiras dos seus supermercados. Mais tarde, quando os anúncios de queimadas na Amazônia ganharam o noticiário internacional, o boicote ganhou ainda mais força. A reportagem é do jornal Estado de S.Paulo. 

Fundador da Paradiset, maior rede de produtos naturais da Suécia, ele vendia itens como manga, castanhas, cacau, limão e água de coco de origem brasileira. Mas decidiu parar de vender os produtos para não expor os clientes dos seus supermercados a mercadorias cuja produção usou defensivos agrícolas que são proibidos pelas leis suecas ou que pudessem ter colaborado com o desmatamento.

O empresário lançou até uma hashtag de boicote aos alimentos brasileiros. No Instagram, há quase 200 publicações com a inscrição #BoycottBrazilianFood. Ele diz que os consumidores e outros empresários locais também têm se sensibilizado com o tema.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email